Rádio Observador

Identidade de Género

Proteger as famílias do totalitarismo de género

Autor
  • Filipe Anacoreta Correia
929

Na sua senda “educadora”, a lei determina que avance uma brigada de formação para as escolas para assegurar que ninguém se afasta da nova “ortodoxia”.

O que caracteriza as sociedades democráticas é serem abertas à diversidade de ideias. Por seu lado, a imposição de ideias discutíveis, pela via da autoridade estatal, é característico de um género totalitário.

O País acordou com o despacho recente do Governo em matéria de educação para a promoção da identidade de género. É também de Agosto (do verão passado) a lei do chamado direito à autodeterminação da identidade de género, que aquele despacho pretende agora regulamentar.

A propósito da lei, a maioria julgou que se tratava apenas de uma questão de permitir aquilo que cada um quer para si. Para mais quando se estabeleceu um procedimento minimamente formal para a “legalização” da alteração de género, que pressupunha alguma maturidade — o pedido apenas é admissível a partir da idade adulta ou, com intervenção dos representantes legais, a partir dos 16 anos.

Mas no meio daquela lei, e muito para além do direito de um jovem ou adulto poder querer alterar no registo o seu nome e o seu género, já se previa que as escolas, desde o 1.º ciclo de estudo, tomassem medidas concretas para promover a comumente chamada ideologia de género.

Se dúvidas houvesse bastaria esperar pela regulamentação da lei – esta tal que foi publicada agora — para que tudo ficasse claro.

E que ideologia é essa? Aquela que serve a ideia de que o género é matéria meramente volitiva ou de construção social. Que independentemente da idade e sem que se explique exatamente como é que isso se processa, a criança pode escolher (“autoatribuir”) um género, uma identidade, um nome, a casa de banho e o vestiário que pretende utilizar.

O entendimento subjacente à ideologia de género tem uma visão – chamemos-lhe filosófica, antropológica ou ideológica — que, por mais estranha que possa parecer à maioria dos mortais, certamente ninguém quer proibir de ser defendida. No entanto, deve ter o lugar que numa sociedade aberta se consagra a toda a diversidade: espaço para ser afirmada ou contestada, mas nunca imposta.

Ora o que se passa, pelo contrário, é que, na sua senda “educadora”, a lei determina que avance uma brigada de formação para as escolas para assegurar que ninguém se afasta daquela nova “ortodoxia”. E que a escola tem de se conformar com a linha ditada.

Da apropriação do combate à violência de género – combate que todos partilhamos — passou-se uma linha também ela violenta. E que linha é essa? A de que em matéria de educação, a liberdade tem de ceder diante de ideias que são no mínimo discutíveis. A linha de que basta a autoridade para se impor um caminho que assenta numa determinada concepção do corpo, da pessoa, da vontade e da liberdade. A de que o Estado se pode intrometer nas questões mais vitais, como se estivesse melhor colocado e soubesse avaliar melhor o que é bom para cada criança.

É natural que este combate indigne tantas famílias, pois o que está em causa são direitos elementares das crianças, que à família, em primeiro lugar, cabe proteger. É a Declaração Universal que determina que a família tem direito a ser protegida diante do Estado, Estado que, ao contrário do que estabelece a Constituição da República Portuguesa, está mesmo a programar a educação segundo diretrizes filosóficas, políticas e ideológicas.

Filipe Anacoreta Correia é advogado

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Minas

O lítio. Contra a desinformação marchar, marchar!

Filipe Anacoreta Correia
802

A extração do lítio não representa um retorno elevado e a acontecer seria o mais grave atentado à riqueza do nosso país: o desenvolvimento sustentável e a preservação do seu património natural.

Eutanásia

Entre a vida e a dúvida

Filipe Anacoreta Correia
332

David Goodall não estava doente, nem em sofrimento terminal. Estava simplesmente velho, debilitado, condicionado nas suas faculdades. Queria ser morto a pedido. É isto que se pretende com a eutanásia?

Cabo Verde

Pioneirismo. Cabo Verde no Conselho da Europa

Filipe Anacoreta Correia
331

Cabo Verde tem condições para encabeçar a primeira candidatura africana ao Conselho da Europa. sobretudo porque é um país que partilha os valores democráticos e o respeito pelos direitos humanos

Família

Ecologia integral e ecologia humana

Pedro Vaz Patto
191

Tal como defendemos para o ambiente, também no domínio da vida humana no seu início e termos naturais, da sexualidade, da procriação e da família, há uma ordem e harmonia que não deve ser destruída.

Identidade de Género

O "gender trouble" português

Alexandre Franco de Sá
416

Para respeitar direitos de homossexuais ou transsexuais não é preciso apelar a uma “coligação de minorias sexuais” que se proponha tornar o Estado e a lei em agentes promotores de uma visão do mundo.

Identidade de Género

O fel da indiferença

Susana Amador
126

As escolas, professores diretores, associações e pais já há muito que perceberam a necessidade de a lei evoluir e de a escola se adaptar à convivência das diferenças.

Identidade de Género

Assim não vamos lá!

Eduardo Marçal Grilo
212

Levantou-se em alguns setores um clamor e uma onda de protestos em torno de uma questão importante mas muito específica resultante de uma interpretação distorcida e maldosa por parte de alguns.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)