Regionalização

Querem regionalizar? Comecem pelos impostos /premium

Autor

Sem impostos regionais os cidadãos votam em quem prometer mais e tiver boas relações em Lisboa. Sem impostos regionais não se responsabilizam nem os eleitos nem os eleitores.

Volta não volta a regionalização regressa à ordem dos trabalhos. Regionalização encarada como a criação de um patamar subnacional do exercício do poder para onde algumas competências são transferidas. Uma regionalização sem qualquer razão geográfica, populacional, linguística ou religiosa que a explique e sustente. Já sei que quem me lê já está a concluir ‘lá vem o tipo de Lisboa falar contra a regionalização’. Vamos ver se nos entendemos: apesar de lisboeta não me repugna a descentralização. Na verdade, quem está mais próximo conhece melhor os problemas e está mais apto para os resolver. Aliás, considero que o problema dos projectos de regionalização apresentados pecam por serem incompletos. Se é para regionalizar, que se regionalize tudo: competências e formas de financiamento.

Infelizmente, quando se menciona a regionalização a discussão limita-se à distribuição de competências pertencentes ao poder central (ou local) e à criação de cargos. Raramente se referem os meios para sustentar o exercício desse poder. Discutem-se formas de as futuras regiões apresentarem obra, mas não o modo de as pagarem.

Porque a regionalização, como qualquer descentralização do poder político, para ser eficaz e democrática, implica a criação de uma nova relação directa entre os eleitores e os eleitos. Entre os cidadãos e os que exercem os cargos de governação. Essa responsabilização mútua só se consegue se há dinheiro envolvido. Quando há impostos. Quando as funções regionais são financiadas por impostos regionais. Se quem governa uma região tiver que cobrar impostos sobre os cidadãos que habitam essa mesma região de forma a pagar o que prometeu em eleições. Se quem vota sabe, e sente no bolso, que vai pagar a obra que aquele em que votou prometeu levar a cabo. Se tal não acontecer, se as novas regiões não forem financiadas por impostos regionais, mas através de transferências vindas do poder central, de Lisboa, do Terreiro do Paço, então o eleitor vota em quem prometer mais obra, em quem gastar mais dinheiro e der garantias, através das suas boas relações com Lisboa, de ‘sacar’ dinheiro aos habitantes de outras regiões que escolheram um governo com menos influência nos corredores do poder central. Ora, isto não é regionalizar. Isto é criar um novo patamar de poder, criar cargos para políticos se poderem ocupar; é desvirtuar o conceito de descentralização do poder.

Qualquer descentralização, seja regional ou autárquica, deve passar pela distribuição de competências, mas também da incidência, lançamento, liquidação e cobrança de impostos. Não se pode correr o risco de se financiarem as regiões como se financiam as autarquias: com impostos municipais cobrados pelo Estado central e distribuído por este através de critérios ditados pela influência política.

Além de um aprofundamento da democracia, a descentralização fiscal dá lugar à responsabilização directa de quem gasta mais do que deve e do que pode. Uma região com contas públicas deficitárias terá de aumentar os impostos com todas as consequências que daí advêm. Uma região com contas públicas equilibradas poderá baixar os impostos com todas as vantagens daí provenientes. Rui Rio afirmou no podcast de Daniel Oliveira, ‘Perguntar não ofende’, que seria favorável à regionalização “desde que o enquadramento legal me leve a conseguir que se reduza a despesa pública.” A descentralização fiscal é um excelente começo. Não é fácil, não é o que a classe política deseja e por isso não vai ser feita. Mas é o único modo de se ser verdadeiro quando se fala em regionalizar.

Advogado

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Paris

A Notre-Dame de Paris (e nossa) /premium

André Abrantes Amaral

A Notre-Dame de Paris foi construída num tempo de mudança, para fazer face a essas mudanças, mas também para fazer parte delas. Era um marco de um tempo em que a Igreja estava a par do tempo.

Crónica

Agostinho da Silva /premium

André Abrantes Amaral

O homem não nasceu para trabalhar, mas para criar. Ou como um miúdo de 15 anos conversou com alguém com mais de 80 sobre temas como o não termos nascido para trabalhar ou que a vida devia ser gratuita

Regionalização

Regionalização: um dos mitos do nosso tempo

João José Brandão Ferreira
268

A Regionalização é perigosa: já vimos que é potencialmente fragmentária. Seria um sumidouro de dinheiros públicos e um multiplicador de estruturas burocráticas. Enfim, a Regionalização é escusada. 

Governo

Fomos aldrabados

Fernando Leal da Costa

Finanças “sãs” não se podem construir à custa da perda do direito à proteção da saúde da população, mas o saldo deste governo são piores serviços, pior acesso, falta crónica de dinheiro e mais dívida.

Educação

Estado-educador e Estado-cultura, em marcha?

Mário Pinto

Não existe uma educação para a cidadania única e institucional. Há várias concepções de cidadania, mesmo como concepções de vida democrática, pois há pluralismo social e cultural, ou moral e religioso

NATO

Os 70 anos da NATO, vistos da Europa


João Diogo Barbosa

Não só o “exército europeu” se tornou um dos temas essenciais para o futuro, como foi possível, pela primeira vez, a aprovação de um Programa Europeu de Desenvolvimento Industrial no domínio da Defesa

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)