Finanças Públicas

Temos um novo António Costa?

Autor
318

Costa tem a oportunidade de resolver o drama das finanças públicas que nos atormenta há décadas. Escondendo do povo o que estava a fazer, fez o que não disse. Com sucesso. Os fins justificam os meios?

Temos, metaforicamente falando, um novo Governo. Um Governo em que o ministro das Finanças recorda agora que o sol nem sempre brilha, alinhando-se com o título que um dos seus antecessores, Vítor Gaspar agora no FMI, escolheu para dar a um dos capítulos do relatório sobre finanças públicas: “Poupando para dias de chuva”. Um Governo em que o primeiro-ministro sublinha que não há nenhuma folga orçamental, há é menos défice que continua a ter de ser financiado.

Quais são os verdadeiros António Costa e Mário Centeno? Os que nos anunciaram o fim da austeridade e que fizeram o País correr o risco de um segundo resgate entre finais de 2015 e o início de 2016? (Sim, corremos esse risco até Bruxelas e os investidores perceberem que o fim da austeridade ia ser compensado com cortes na despesa que apenas se iriam perceber a prazo. Por aqui, em Portugal, fomos enganados durante algum tempo, com a cumplicidade do PCP e do Bloco de Esquerda.)

Ou os verdadeiros António Costa e Mário Centeno são aqueles que agora ouvimos defender que temos de aproveitar esta oportunidade para resolver de vez o problema das finanças públicas? Um Governo que se recusa, perante as exigências do Bloco de Esquerda e do PCP, a aumentar despesa pública de 2018 para lá da que está autorizada no Orçamento.

O ministro Mário Centeno que ouvimos na apresentação do Programa de Estabilidade e nas entrevistas que deu à TSF e ao Jornal de Negócios parece outra pessoa. O “novo” Mário Centeno defende explicitamente disciplina financeira. Avisa-nos, e bem, como aconteceu na apresentação do Programa de Estabilidade, que “o risco de retrocesso [em matéria orçamental] existe e é maior do que parece, principalmente quando as coisas nos correm bem”. Recorda, como nas entrevistas que deu esta semana, os sucessivos erros que cometemos e oportunidades que perdemos desde a década de 80 do século passado. Fala-nos na necessidade de colocar as contas públicas num porto seguro. Enfim, consegue-se agora reconhecer na Praça do Comércio um ministro das Finanças.

É a política, estúpido (ou estúpida)! Nesta nova fase, como nos últimos dois anos e quase meio.

Na primeira fase era preciso estabilizar o poder, apoiado em dois partidos que consideram que a solução para as finanças públicas, e para o crescimento económico, está na reestruturação da dívida. Queriam apoiar o Governo mas nunca o poderiam fazer se António Costa e Mário Centeno dissessem que tinham como objectivo fazer tudo o que fosse necessário para compensar, com cortes noutros gastos, o aumento da despesa das reposições de direitos e de rendimentos. Nessa primeira fase, que agora termina vivemos, a parte do fingimento. O Governo fingia que se estava nas tintas para o défice público e o Bloco de Esquerda e o PCP fingiam que acreditavam que não estavam a ser adoptadas medidas de redução da despesa por via das cativações.

Com o tempo e sucesso financeiro que foi obtendo, graças também à recuperação económica europeia, o Governo ganhou margem de manobra e os partidos que o apoiam – tal como a oposição – foram perdendo espaço de critica. Está, como diz o primeiro-ministro para quem o apoia, a cumprir-se os acordos que assinaram. Como vêm o diabo não veio e o PS libertou-se do seu fado de despesista, pode também dizer António Costa para o PSD e o CDS.

Nesta segunda fase António Costa e Mário Centeno já têm margem de manobra para revelarem que a sua prioridade é, e sempre foi, e bem, reduzir a dívida pública para valores que coloquem Portugal num porto seguro quando chegar uma nova crise. Podem mostrar o que de facto defendem. Ingenuidade absoluta, dirão os cínicos. É a política, de novo, dirão. Fingir que não se ligava nenhuma à disciplina financeira serviu para estabilizar o poder. Expor agora a prioridade à disciplina financeira serve para conquistar o poder, colocando o PS mais ao centro, o espaço onde se consegue a maioria absoluta. Talvez assim seja.

Durante quase dois anos e meio, o Governo disse uma coisa e fez outra, como se alertou várias vezes neste espaço a partir determinada altura. Reduziu o défice público e caminha para o excedente orçamental, está a conseguir controlar a dívida e tem consciência que está longe de ter o problema das contas públicas resolvido. Mais do que tudo isso, concretizou em 2017 uma política orçamental que segue as melhores práticas de política económica: contra-cíclica, como salienta o Conselho de Finanças Públicas.

Fez tudo isso à socapa, dizendo que não o estava a fazer – afinal estavam a ser repostos rendimentos com a eliminação dos cortes salariais na função pública e das pensões e o fim da sobretaxa. E como é que se concretizar uma política de redução do défice público mascarada de expansionista, como se finge que não se está a fazer fazendo? Cortando em despesa pública que não tem representantes, que não está capturada, que é de todos e não é de ninguém. Despesa pública que só se nota que faz falta a prazo. É assim que chegamos aos cortes no investimento público.

O importante, dirão os pragmáticos, é atingir os objectivos. Os meios com que se atingem esses objectivos não são relevantes. Se é preciso fingir, finge-se. Se é preciso cortar em despesa, que se corte na que não tem associações ou sindicatos que a defendam. Esta pode ter sido a táctica que conseguiu conciliar os objectivos económico-financeiros (de redução do défice e conquista da confiança na economia) com os objectivos políticos (de conquista e estabilização do poder). E deste ponto de vista António Costa e Mário Centeno foram brilhantes na frieza com que traçaram e concretizaram este caminho. Mesmo sabendo que, se corresse mal, o país pagaria um preço elevado. Mesmo sabendo que não estava a dizer toda a verdade ao seu povo. Mesmo sabendo que cortar despesa pública sem voz é desproteger os mais frágeis, os que precisam dos serviços públicos básicos. Mas tudo isso só se vê a prazo, como só a prazo um dia o povo poderá perceber os fingimentos.

Para já podemos cantar vitória e respirar de alívio com este novo António Costa e Mário Centeno. Que nos prometem resolver de vez o problema das finanças públicas.  E esperar que a política que foi seguida não tenha feito muitos estragos na economia, na sociedade e na confiança nos políticos.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Caso José Sócrates

Lições do caso Sócrates /premium

Helena Garrido
309

A corrupção e os mais diversos condicionalismos à liberdade de imprensa e ao poder das instituições independentes é um dos nossos mais graves problemas. Muito maiores do que as leis.

Crónica

Uma semana portuguesa, com certeza /premium

Alberto Gonçalves

É impressionante como os socialistas exibem uma ignorância tão vasta em todos os domínios terrestres e, não obstante, conseguem acumular pequenas fortunas pessoais e, para cúmulo, governar tão bem. 

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)