Eleições Europeias

Uma herança que tem que ser levada a sério /premium

Autor

Goste-se ou não se goste dos contornos atuais da União Europeia, somos nós, cidadãos europeus, que decidimos o destino que queremos dar a esta Europa onde os nossos filhos e netos vão crescer.

Em plena era Brexit e num tempo marcado pela dúvida, com legiões de imigrantes a tentarem chegar vivos à Europa, e tantos outros acontecimentos dramáticos a gerarem uma escalada de protestos, numa vaga de contestação que abrange todo o espetro político partidário de todos os países europeus, vale a pena voltar à génese da União Europeia.

Konrad Adenauer, Alcide de Gaspieri e Robert Schuman foram, entre muitos outros, os fundadores da construção europeia. Todos eles se revelaram grandes entusiastas, mas acima de tudo líderes visionários e humanistas. Winston Churchill, que pertence ao grupo de 16 pioneiros, foi um dos primeiros líderes com impacto mundial a falar da criação dos “Estados Unidos da Europa”. Churchill acreditava que após a Segunda Guerra Mundial só poderia voltar a existir paz se houvesse união. Estava certo. Aliás, estavam certos todos os que se empenharam em eliminar as ‘doenças europeias do nacionalismo e do belicismo’ que tantas vítimas fizeram nos anos de guerras e sucessivos conflitos.

Voltar à biografia de três dos grandes construtores da União Europeia é voltar àquilo que os motivou e ao espírito que presidiu a uma união que parecia impossível de tecer. Basta recuar aos tempos do pós-guerra, ao cenário de escombros e devastação que ficou tatuado na memória de todos os sobreviventes da Segunda Guerra Mundial, para perceber as feridas profundas que deixou nos povos e nas famílias dos países envolvidos.

Era impensável sentar à mesma mesa alemães e franceses. Todas as famílias francesas e alemãs tinham sido tocadas pela guerra, muitas tinham perdido muitos dos seus ou assistido à morte de compatriotas inocentes, mas Konrad Adenauer, o primeiro Chanceler da República Federal da Alemanha, que se manteve à frente do novo Estado alemão entre 1949 e 1963, foi capaz de mudar a história da Alemanha e da Europa.

Liderou um complexo e sensível processo de reconciliação com a França e as medidas da sua política externa foram estratégicas para resgatar dois povos que se tinham tornado arqui-inimigos. A ação do Chanceler alemão revelou-se um pilar essencial na construção de uma nova Europa. Em 1963 Adenauer e Charles de Gaulle assinaram um Tratado de amizade que marcou uma viragem radical e histórica. Começou ali o processo de integração europeia.

Entre 1945 e 1953, também Alcide De Gaspieri, Primeiro-Ministro e Ministro dos Negócios Estrangeiros de Itália foi uma peça chave na construção de uma nova Europa. Mediador da paz inspirado num ideal de democracia e liberdade, De Gaspieri foi o autor de sucessivas iniciativas para a unificação da Europa Ocidental. Envolveu-se na realização do Plano Marshall, o célebre Plano de Recuperação Europeia, e estreitou os laços económicos com a França e outros países europeus. A sua ação e a sua motivação foram vitais na construção da paz e da prosperidade no continente europeu.

Robert Schuman, considerado o arquiteto do projeto de integração europeia, foi Ministro dos Negócios Estrangeiros francês entre 1948 e 1952 e também o seu entusiasmo e a sua visão humanista ficaram plasmados na unificação da Europa. Em colaboração com Jean Monnet, consultor económico e político francês que dedicou toda a sua vida à causa da integração europeia, elaborou o famoso ‘Plano Schuman’ e apresentou-o publicamente no dia 9 de Maio de 1950, fez agora 69 anos. Esta data ficou para sempre marcada como o dia em que nasceu a União Europeia.

O parto não foi fácil e o nome que deram ao recém-nascido projeto também não foi este pelo qual agora o conhecemos, mas foi graças ao Plano Schuman que passou a haver uma gestão e um controlo conjuntos da produção do carvão e do aço, as duas matérias-primas fundamentais para a produção de armamento. A ideia fabulosa que permitiu a união resume-se, de uma forma grosseira, do seguinte modo: se eu preciso do teu aço e tu precisas do meu carvão para produzir armamento, temos mesmo que nos entender e não nos podemos declarar guerra.

Gosto de voltar a este ponto inaugural porque apesar de estarmos a falar de matérias-primas para produzir armas, foi graças a este espírito de interdependência que nasceu um espírito mais elevado de entreajuda. E foi graças a matérias para produzir materiais bélicos que se conseguiu fazer a paz. O paradoxo é grande, mas na realidade este passo permitiu criar uma força verdadeiramente unificadora que deu origem à União Europeia.

A história desta enorme e ambiciosa construção de uma Europa unida está cheia de avanços e recuos, complexidades e dilemas, desafios e braços de ferro, frustrações e perplexidades, conquistas e perdas, mas é inegável que nos tem levado a todos muito longe. E tem-nos permitido concordar e discordar com liberdade, mas também circular livremente entre países e comprar e vender produtos diferentes com a mesma moeda.

Goste-se ou não se goste dos contornos atuais da União Europeia, concorde-se ou não com a forma excessivamente burocratizada como evoluiu, aceite-se apenas parte ou toda a diversidade de que é composta, continua a estar na nossa mão contribuir para recentrar o espírito de união. Somos nós, cidadãos europeus, que decidimos o destino que queremos dar a esta Europa onde os nossos filhos e netos vão crescer.

As novas gerações de eleitores e decisores estarão fatalmente cada vez mais distantes dos pais fundadores e, por isso, importa recordar o que estava em causa quando os pioneiros se entusiasmaram com a ideia da paz, da liberdade e da prosperidade num continente massacrado por conflitos e guerras, minado de dores e de feridas por cicatrizar.

O voto de cada cidadão, em qualquer eleição, tem o poder de contribuir para mudar (ou manter) uma realidade, para transformar ou reforçar o sistema. Nas eleições europeias a abstenção é lendária e pode atingir proporções gigantes. É pena. Há 69 anos, quando a Europa estava em ruínas e todos sofriam ou se odiavam, a paz não chegava sequer a ser uma miragem. Graças ao espírito visionário, humanista e entusiasta de políticos como Schuman, Adenauer, De Gaspieri & Cia chegámos até aqui. Falo do espírito de união, por oposição ao espírito de desunião. Aos cidadãos cabe levar isto a sério e aos políticos também.

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Televisão

Os novos gladiadores /premium

Laurinda Alves

Tal como na Roma antiga se juntavam multidões para incitar ver morrer gladiadores, também os espetadores do Jeremy Kyle Show gostavam de ter sangue todas as manhãs e de ver inocentes lançados às feras

Mobilidade urbana

A inteligência dos outros /premium

Laurinda Alves
155

Não há uma só vez que entre no carro sem começar por rezar para não atropelar ninguém numa trotineta. Também não quero ser abalroada na estrada ou a pé, nos passeios e, muito menos, matar ou ser morta

Lisboa

Rebeldes sem causa /premium

Laurinda Alves
1.311

Em Lisboa, os vândalos que atacam tudo o que é pedra, nova ou antiga, e assinam de forma nojenta tudo o que foi construído ou está a ser reconstruído, não respeitam nada nem ninguém.

Eleições Europeias

Another brick in the wall?

Maria Castello Branco

Como todos os que desfrutaram da liberdade de circulação e do Erasmus bem sabem, a Europa é o pluralismo de nações, mas ela está demasiado centralizada e burocrática para que a diversidade seja ouvida

Crónica

Portugal, um país à prova de fake news /premium

José Diogo Quintela

Porra Vasily! Então, mas o que é que andas a fazer, pá? Portugal não necessita dos nossos trolls, nem das nossas fake news. Os partidos tradicionais encarregam-se de escangalhar a imagem da democracia

Eleições Europeias

Populismo e eleições europeias

Ricardo Pinheiro Alves

O crescimento do populismo xenófobo é alimentado pelo aumento do populismo igualitário, conduzindo a uma progressiva radicalização da vida pública como se observa actualmente nos países desenvolvidos.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)