Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

Em plena era Brexit e num tempo marcado pela dúvida, com legiões de imigrantes a tentarem chegar vivos à Europa, e tantos outros acontecimentos dramáticos a gerarem uma escalada de protestos, numa vaga de contestação que abrange todo o espetro político partidário de todos os países europeus, vale a pena voltar à génese da União Europeia.

Konrad Adenauer, Alcide de Gaspieri e Robert Schuman foram, entre muitos outros, os fundadores da construção europeia. Todos eles se revelaram grandes entusiastas, mas acima de tudo líderes visionários e humanistas. Winston Churchill, que pertence ao grupo de 16 pioneiros, foi um dos primeiros líderes com impacto mundial a falar da criação dos “Estados Unidos da Europa”. Churchill acreditava que após a Segunda Guerra Mundial só poderia voltar a existir paz se houvesse união. Estava certo. Aliás, estavam certos todos os que se empenharam em eliminar as ‘doenças europeias do nacionalismo e do belicismo’ que tantas vítimas fizeram nos anos de guerras e sucessivos conflitos.

Este artigo é exclusivo para os nossos assinantes: assine agora e beneficie de leitura ilimitada e outras vantagens. Caso já seja assinante inicie aqui a sua sessão. Se pensa que esta mensagem está em erro, contacte o nosso apoio a cliente.