Rádio Observador

PS

“Vogliamo Tutto” ou… a campanha em marcha /premium

Autor

É falso que o esquelético crescimento económico actual esteja a "evoluir em contraciclo com a economia mundial", como se a nossa economia não dependesse da europeia desde a criação do Euro.

Presumo que a insólita ideia de associar o actual primeiro-ministro, na capa da revista do Expresso de sábado passado, ao slogan “Vogliamo Tutto”, criado há 50 anos por um dos movimentos políticos mais radicais da segunda metade do século passado, foi dos jornalistas… Seja como for, esta associação mistificadora não deixa de ter que ver com a campanha eleitoral do PS em busca de uma “maioria absoluta” que faria o mesmo que Sócrates fez desde 2005 até ser corrido em 2011. A cinco semanas das eleições, vale tudo!

Antes de abordar a entrevista do Expresso e o artigo encomendado ao Financial Times, convém que as pessoas saibam que essa frase desconhecida era o slogan — possivelmente inspirado numa velha canção revolucionária italiana — de Potere Operaio, um partido fundado em 1969 e dissolvido pouco depois para se transformar no movimento Autonomia Operaia… Trata-se, como calculam, de uma bizarra evocação oposta a tudo o que António Costa representa!

Efectivamente, ao ler uma entrevista em que tudo é prometido, conclui-se que o PM propõe os mesmos chavões servidos nos últimos quatro anos, alguns manifestamente falsos. O primeiro é o “virar a página da austeridade”, como se esta não tivesse sido “virada” em 2014 pelo governo do PSD+CDS com a “saída limpa” e um crescimento de quase 2% em 2015, ou seja, tanto ou mais do que a “geringonça” veio a fazer em média desde então. Por sua vez, a dívida pública, que era de 100 mil milhões de euros em 2005, já estava perto do dobro em 2011 quando Sócrates chamou a troika e se adicionaram os 70 mil milhões do empréstimo, perfazendo os 250 mil milhões da dívida actual, ou seja, 125% do PIB apesar dos adiamentos feitos e dos ‘bónus’ concedidos pelo Banco Central Europeu. Entretanto, a dívida pessoal de cada um de nós era de 21.000€ no fim de 2015 e aumento para 24.000€ em 2016 e aí se mantém!

Pior, porque mais mistificador, é falso que o esquelético crescimento económico actual esteja a “evoluir em contraciclo com a economia mundial”, como se a nossa economia não dependesse da europeia desde a criação do Euro (2000) com um crescimento anual médio de zero; e como se nos últimos cinco anos não tivesse dependido do turismo aleatório, do aumento da bolha imobiliária e da poupança próxima de zero, com crescimento médio anual abaixo de 2%!

Em suma, o “cenário” apresentado pelo PM ao Expresso continua, pois, sujeito “àquilo que dependa de nós”, ou seja, das políticas estatistas e da clientelização dos rendimentos dependentes do Estado. É cada vez menos certo, porém, que haja recursos para isso apesar dos baixos juros da dívida, que são a principal tábua a que Costa e Centeno se agarram mas que são, simultaneamente, um sinal de contracção económica. No oposto do “bodo aos pobres” prometido pelo governo, quando os jornalistas perguntaram ao PM se este concordava com a eventual “redução das deduções na saúde para aumentar o investimento no SNS”, Costa respondeu secamente: “Não”! Ora, a saúde é de longe o maior problema do país, juntamente com o sistema de reformas, ambos ligados ao envelhecimento da população, acerca do qual o PM responde com a inútil “promoção da natalidade”…

Com efeito, já se sabe que não haverá estudantes qualificados em número adequado às novas tecnologias da altura, pois esses jovens não nasceram, assim como não nasceram bebés pois as suas potenciais mães também não, conforme a demografia demonstrou. Do mesmo modo, quanto ao conluio socialista imperante – o familismo, o amiguismo, o compadrio, numa palavra, a corrupção generalizada – de que é exemplo o caso Sócrates, que continua por julgar, assim como o do roubo de Tancos, a tudo isso o PM respondeu com a negação ou com a tese de que “a lei é para interpretar”.

A concluir, uma palavra acerca da imprensa internacional que voltou a iludir os leitores a respeito da “geringonça” com um artigo de publicidade onde os “editores” do Financial Times assumem a benevolência manifestada regularmente pelo correspondente em Lisboa. Desta vez, o jornal bem tentou recuperar a ideia disseminada pelo PS acerca de uma mirífica “via portuguesa para a saída da austeridade”, mas defrontou-se com a objecção maciça dos leitores britânicos que conhecem a nossa situação real.

Assim vai a campanha eleitoral de um governo legal mas ilegítimo, pois o PS não teria tido os votos que teve se tivesse anunciado antes das eleições de 2015 que iria aliar-se ao BE e ao PCP, cujas presenças António Costa tenta agora sacudir da sua companhia. Porém, os eleitores sabem que o PS não recua perante nada na sua propaganda e não deixará de se aliar à “esquerda” se não tiver a “maioria absoluta” dos deputados.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Eleições

O fórum e o mercado /premium

Manuel Villaverde Cabral

As eleições serão marcadas pela crise da representação materializada pela abstenção maciça, enquanto os votantes efectivos se pautarão pelos benefícios que terão ou não recebido da "geringonça".

Combustível

Teorias da conspiração /premium

Manuel Villaverde Cabral

A única coisa que não sabemos ao certo acerca da greve dos camionistas é se o governo a combate a sério, servindo-se para isso da implantação do PS na organização do patronato, ou se finge combatê-la.

Corrupção

O PS está em pânico… e com razão! /premium

Manuel Villaverde Cabral
317

Ao contrário do que clama a «esquerda indignada», o país não precisa do sector privado para haver «corrupção». Pelo contrário: ela medra no actual sistema de clientelismo de Estado incarnado pelo PS.

Filosofia Política

A doença mental chamada Amazónia

Gabriel Mithá Ribeiro

Resta decretar o estado de emergência climática que, na prática, se traduz no combate ao capitalismo em nome do socialismo, mas na condição daquele disponibilizar muitos mil milhões de dólares a este.

PAN

Totalitarismozinho dos anos 40 /premium

José Diogo Quintela

Este discurso da emergência climática dá muito jeito em termos políticos. Em primeiro lugar, tudo o que acontece de mal deve-se ao clima. Logo, a culpa nunca é do Governo, é de toda a humanidade.

Trabalho

Ficção coletiva, diz Nadim /premium

Laurinda Alves

Começar reuniões a horas e aprender a dizer mais coisas em menos minutos é uma estratégia que permite inverter a tendência atual para ficarmos mais tempo do que é preciso no local de trabalho.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)