Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

Participei com muito gosto, na semana passada, numa mesa dedicada pelo 8.º Congresso da Ordem dos Economistas à questão demográfica que hoje se coloca ao país assim como a toda a jornada inaugural do Congresso. Não sendo economista, não era a primeira vez que participava no Congresso e só confirmei as impressões com que ficara do anterior. A primeira é a competência e o profissionalismo com que os intervenientes, na sua maioria economistas exercendo a profissão no ensino superior e/ou no sector empresarial, fizeram as suas participações de modo a analisar problemas concretos da economia portuguesa sem os misturar com os repetitivos debates ideológicos da chamada «classe política».

A segunda impressão foi o empenhamento dos participantes em encontrar soluções igualmente concretas para os problemas identificados sem os empurrar para o Estado, não responsabilizando nem deixando de responsabilizar este último, se não de forma genérica quando as dificuldades e os óbices encontrados se devem manifestamente à administração pública, cuja herança salazarista está longe de ter desaparecido.

Este artigo é exclusivo para os nossos assinantes: assine agora e beneficie de leitura ilimitada e outras vantagens. Caso já seja assinante inicie aqui a sua sessão. Se pensa que esta mensagem está em erro, contacte o nosso apoio a cliente.