Logo Observador
Educação

Afinal, a liberdade de escolha da escola existe

Autor
384

O debate já não é se deve ou não haver escolha. Ela existe nas escolas públicas, mas de forma ilegítima e só para alguns. A questão é se se a quer alargar a todos, a começar pelos mais desfavorecidos.

É sabido que, no papel, a liberdade de escolha da escola não existe. De resto, no debate político, propício a equívocos e demagogias, reduziu-se erradamente a questão à competição entre escolas públicas e privadas, no lapidar e segregador “quem quer escolher que pague”. Mas, na realidade das escolas e das suas comunidades, a história é bem diferente.

Veja-se um caso recente. Na passada sexta-feira, foram conhecidas as colocações de alunos no jardim de infância do agrupamento Filipa de Lencastre (em Lisboa e uma das escolas públicas mais bem reputadas do país). E o que aconteceu? O que acontece todos os anos: crianças da área geográfica de influência da escola (que têm prioridade nas matrículas) não entraram porque muitas das vagas foram preenchidas por crianças de outras zonas da cidade. E isto sucede porque os pais dessas crianças contornam as regras indicando moradas falsas ou nomeando amigos ali residentes como encarregados de educação dos filhos, para que seja a morada desses amigos a contar na hora da avaliação da matrícula. Ou seja: muitas famílias lisboetas escolhem aquele agrupamento para matricular os seus filhos e, porque os critérios de selecção os excluiriam, de tudo fazem (e conseguem) para tornear as regras. Ora, a directora do agrupamento assegura que “os critérios de admissibilidade dos alunos cumprem integralmente os dispositivos legais em vigor”. Tem razão – e, de resto, a culpa do imbróglio não é sua nem da escola. A questão é que os dispositivos legais em vigor estão cheios de alçapões, permitindo tudo e o seu contrário a quem queira levar a água ao seu moinho. Basta saber.

O fenómeno repete-se anualmente ali e em várias escolas do país, com particular insistência nas cidades de Lisboa, Porto e Coimbra. É a liberdade de escolha da escola à portuguesa – não existe formalmente e, desde que feita às escondidas, não gera anticorpos. Uma vergonha que explora as lacunas da lei e que só está ao alcance de quem tem os meios (intelectuais, rede de contactos, tempo) para se impor sobre os outros. Alegando uma garantia de equidade, o Estado que rejeita criar um sistema que dê aos pais a liberdade de escolher uma escola na rede pública é o mesmo Estado que permite que tantos o façam de forma ilegítima, apesar de eventualmente legal.

Ora, o problema existe. E há três formas possíveis de lidar com ele. A primeira é ignorar a situação e fingir que não existe problema algum – a opção escolhida pelo ministério da educação desde sempre. A segunda é iludir-se de que, através da intervenção da Inspecção-Geral da Educação, a situação se resolveria a favor dos alunos residentes junto às escolas. É essa a reivindicação dos moradores do bairro do agrupamento Filipa de Lencastre, numa petição que organizaram ou ainda noutra que circula, mas que tudo indica seria ineficaz – não havendo ilegalidade, não há espaço para a Inspecção-Geral agir. Por fim, a terceira: aceitar que a evolução do sistema educativo – cada vez mais descentralizado e com mais autonomia pedagógica e curricular nas escolas – pede um modelo de selecção de escolas dentro da rede pública permeável e respeitador dessa diversidade. É esta a opção mais justa, mas também a que mais assusta quem se habituou à lei do mais forte na educação.

As escolas públicas estão cada vez mais diferentes entre si. Fruto da descentralização e do acréscimo de autonomia, as escolas estão a gerar opções pedagógicas e estratégias educativas diversas. E, no meio dessa diversidade, há opções e estratégias que se adequam melhor a uns alunos do que a outros, razão pela qual permitir a escolha dos pais não pode continuar a ser visto como um privilégio, mas sim como uma necessidade. Num sistema educativo muito centralizado, como foi concebido o português, era teoricamente indiferente frequentar a escola A ou a escola B, uma vez que ambas tinham de seguir à risca as indicações do ministério. Ora, isso agora acabou – frequentar uma ou outra escola implica seguir um ou outro caminho educativo. O sistema mudou – antes, pedia-se às escolas que fossem iguais, agora pede-se que sejam diferentes e geradoras de soluções educativas à medida do seu contexto. Assim sendo, a lei também tem de mudar – justifica-se que os pais ponderem e seleccionem a oferta educativa que melhor responde às necessidades de um filho.

O debate já não é, como habitualmente se discute, se deve ou não haver liberdade de escolha da escola. Ela já existe nas escolas públicas, mas de forma ilegítima e só para alguns – os que saibam dobrar as regras. A questão é, portanto, se o ministério da educação consegue viver com essa injustiça ou se quer alargar a todos a possibilidade de escolher, a começar pelas populações mais desfavorecidas.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Minorias

Todos contra todos

Alexandre Homem Cristo
374

Não perceber que a fragmentação social está a ser alimentada pela direita e pela esquerda, através de políticas de identidade, é não entender o problema. E, claro, para ele não poder encontrar solução

Escolas

Ninguém quer resolver o problema das matrículas

Alexandre Homem Cristo
277

Não faltam exemplos internacionais de soluções para as matrículas. Só que o nosso obstáculo de raiz não é a falta de alternativas; é mesmo a falta de vontade. Como se vê, isso não mudará tão depressa.

Educação

O Filipa e a escola pública

Maria José Melo

Portugal só será realmente um país civilizado quando existir consciência cívica por parte de todos os cidadãos. Foi esta visão que adquiri no Liceu D. Filipa de Lencastre e me acompanhou toda a vida.

Escolas

Ninguém quer resolver o problema das matrículas

Alexandre Homem Cristo
277

Não faltam exemplos internacionais de soluções para as matrículas. Só que o nosso obstáculo de raiz não é a falta de alternativas; é mesmo a falta de vontade. Como se vê, isso não mudará tão depressa.