Politicamente Correto

O fim do sexo

Autor
2.998

Somos, machos e fêmeas, biologicamente diferentes. Os cérebros funcionam de forma distinta, as hormonas não coincidem, os órgãos do corpo não são iguais. Quem ignora isto ou é lírico ou é ignorante.

Há uns anos, quando o meu filho mais velho fazia os seus teatros para a plateia familiar, contendo desde avós a irmão mais novo bebé, eu, no papel de apresentadora, era incitada pelo artista circunstancial a expressar-me da seguinte forma: ‘senhoras e senhores, meninas e meninos, bebezinhas e bebezinhos, apresento-vos etc.’. Ofereço-vos isto como prova A de não ser uma cidadã decente e respeitável. Na verdade, sou uma mãe desnaturada, que impõe a todas as minhas relações familiares (incluindo aos meus filhos) esse pesado jugo de se identificarem com um dos dois sexos biologicamente existentes. Foi uma pena não ter existido nenhum benemérito que se infiltrasse nos teatros familiares e me denunciasse à Segurança Social.

Admito, claro, que uma pessoa adulta possa entender não se definir pelo seu sexo e prefira não ter tal identificação nos seus documentos. Evidentemente: cada um veste-se de calças ou saias, mascara-se de spiderman, caranguejo ou centopeia, usa maquilhagem ou não, cabelo curto ou comprido, apresenta-se socialmente com o nome próprio, muda de nome, escolhe um pseudónimo como ‘lake’ ou ‘pouf’, enfim, cada um tem o direito alienável de se apresentar como bem entende perante o mundo. A minha tolerância é tão extensa que nem desrespeito senhoras que se vestem da cor mais enfadonha de todas, azul marinho.

Como os adultos têm todo o direito de decidir o que fazer à sua identidade sexual – conceito diferente de orientação sexual (homo ou hétero), que um homem gay provavelmente tem a sua identidade sexual masculina claríssima, e o simétrico para as lésbicas – não tenho de opinar se recusam identificar-se com um sexo em que não se sentem incluídos. Por isso, a decisão do prestimoso estado americano de Oregon – que já tem felizes residentes cuja carta de condução indica sexo neutro – não me repugna. Não é uma causa que me entusiasme, mas cada qual escolhe como gastar o tempo. Desde que um adulto se responsabilize pelos constrangimentos que essa falta de identificação sexual lhe traz – por exemplo, falta de alguns cuidados de saúde diferentes entre os sexos – e que respeite as outras pessoas, nada tenho a opor.

Em suma: um adulto apresenta-se como entende e identifica-se como lhe aprouver. Mas se impõe aos outros as suas escolhas, o meu mau feitio entra em ação. Não tenho de deixar de ver reconhecida a minha identificação sexual como mulher – de que gosto – para não ferir suscetibilidades dos não-binários, indecisos, trans, dos sexualmente fluídos, ou o que seja. Como as luminárias do metro de Londres decidiram ao abandonarem o inofensivo ‘ladies and gentlemen’. Também não quero ter homens que se sentem mulheres usando as casas de banho femininas – tenho direito à minha privacidade e, até, à segurança. Menos ainda aceito prescindir, e pelas mesmas razões, de casas de banho femininas para passarem a unissexo. Ou, se calhar, melhor, a multissexo (os sexos são como os sistemas planetários, há muitos para descobrir no universo). Recuso que as empresas privadas sejam, para afagar o ego a diletantes, legislativamente obrigadas a oferecerem casas de banho para os sexos que se inventarem.

Piora quando envolve crianças, como o bebé do Canadá de sexo ‘U’. Se um adulto pode decidir para si o que entender desde que não atropele direitos alheios, é, para mim, uma violentação não informar uma criança de parte fulcral da sua identidade: o sexo. Porque a verdade é que somos, machos e fêmeas, biologicamente diferentes. Os cérebros funcionam de forma diferente, produzimos hormonas não coincidentes, os órgãos do nosso corpo não são iguais, as nossas funções fisiológicas ocorrem de modos diversos. Quem pretende que tudo isto é irrelevante, ou é lírico ou é ignorante.

Faz parte do crescimento querermos saber quem somos. Gostamos de conhecer as nossas raízes, as histórias de vida dos nossos pais, de quem herdámos a cor dos olhos e o formato do queixo. É um cliché – mas verdadeiro – afirmar, para um país, que só se entende o presente se se conhecer o passado. As questões identitárias são, por estes dias, galopantes. Os negros. Os sino-americanos. Os gays. Os sobreviventes de abusos e violência sexual. A geração marcada por um evento histórico incontornável (estive alguns anos a estudar e escrever sobre a geração que viveu a revolução cultural chinesa na adolescência). Enfim, tudo é importante para construirmos a nossa identidade. Menos – não se está a ver? – sabermos qual o nosso sexo.

Aos pais de uma criança compete dar balizas para os filhos se construírem. Passar os valores dentro dos quais gostaríamos que vivessem (no meu caso, por exemplo, não dou como comportamento aprovado a participação em genocídios). E, obviamente, informá-los do seu sexo e o que é o seu sexo. Para, também, mais tarde livremente se definirem como dentro do seu sexo ou por oposição ao seu sexo.

O que se vai conseguir com estas maluquices de privação de identificação sexual das crianças? Além de anos em consultas de psicologia e psiquiatria, temo pela frequência da atividade sexual das próximas gerações. É que a maioria de nós gosta de ter sexo ou só com homens ou só com mulheres. De repente, vivermos num mundo onde não conseguimos distinguir se o outro é do sexo que preferimos, não me parece conducente a muitas concretizações sexuais. Quem sabe tornar-nos-emos no Japão, onde um terço da população adulta não tem vida sexual nem pensa ter. Então boa vida de abstinência. Tudo em nome das palermices progressistas.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Saúde da Mulher

Rastreios e outro direito a escolher

Maria João Marques
198

Concluímos que estas decisões existem para permitir que se gaste mais em salários no SNS. Menor controlo do cancro da mama pela melhor causa: o PS comprar uns tantos votos aos funcionários públicos.

Racismo

Guerra racial à solta

Maria João Marques
355

O racismo e as suas consequências são demasiado graves, e mais grave será se as próprias minorias defenderem a segregação social e cultural: os do outro lado esfregarão as mãos de contentamento.

Hollywood

Liga dos amigos dos predadores sexuais

Maria João Marques
152

Da minha experiência e das minhas amigas, apalpões a despropósito não costuma ser via bem-sucedida de engate ou sedução. Não vislumbro como deixar de haver grunhos apalpadores leva à abstinência.

Politicamente Correto

É difícil comer cabrito vivo

Helena Matos
4.914

Estava a perceber quando terão os trabalhadores do sector privado as suas 35 horas e eis que constato que a Nação se mobiliza contra uma ignomínia: a morte de um cabrito num congresso de cozinheiros 

Politicamente Correto

Chamem a polícia…

Paulo de Almeida Sande
318

Usam-se as bandeiras da indignação e mobilizam-se os exércitos dos que, em rebanho, se juntam aos defensores da causa, seja ela qual for. Há uma expressão para isso e é “mais papista do que o Papa”.

Assédio Sexual

O sexo politicamente incorrecto

Rui Ramos
375

O alegado comportamento de Harvey Weinstein e Kevin Spacey só é possível numa cultura onde o assédio sexual pôde passar por um “pecadilho” menor. E a chamada "libertação sexual" contribuiu para isso. 

Politicamente Correto

Os autocarros do amor

Alberto Gonçalves
1.284

Felizmente, à revelia da propaganda que tanta “vender” os transportes públicos a título de amigos do ambiente ou da circulação urbana, há jornalistas sem medo de os denunciar como os amigos do deboche

Politicamente Correto

O homem unidimensional

Paulo Tunhas

Basta ler aqui e ali alguma prosa que se produz para se perceber que por detrás da encenada sofisticação está a mais fanática regressão à unidimensionalidade do pensamento e à crença mágica primitiva.

Só mais um passo

Ligue-se agora via

Facebook Google

Não publicamos nada no seu perfil sem a sua autorização. Ao registar-se está a aceitar os Termos e Condições e a Política de Privacidade.

E tenha acesso a

  • Comentários - Dê a sua opinião e participe nos debates
  • Alertas - Siga os tópicos, autores e programas que quer acompanhar
  • Guardados - Guarde os artigos para ler mais tarde, sincronizado com a app
  • Histórico - Lista cronológica dos artigos que leu unificada entre app e site