Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

O grupo de trabalho do Eurogrupo está em Lisboa para a reunião mensal que antecede a reunião do Eurogrupo e vai discutir a situação do resgate português durante os dois dias em que estará a trabalhar na capital portuguesa, apurou o Observador.

O Eurogroup Working Group (EWG) reúne-se uma vez por mês em Bruxelas para preparar as reuniões dos ministros das Finanças da zona euro e uma vez por ano tem uma reunião fora do país. No ano passado, este encontro decorreu em Itália e, desta vez, realiza-se durante dois dias em Lisboa.

Em cima da mesa, apurou o Observador, vai estar o impasse sobre o programa português, numa altura em que até a ministra das Finanças admitiu a possibilidade de não o terminar ao concluir a última revisão e sem receber os quase três mil milhões de euros que ainda restam do empréstimo internacional.

O impasse sobre o programa português, apurou o Observador, está a deixar alguns países muito pouco contentes. A Alemanha em especial, que viu a sua posição enfraquecida depois de celebrar o fim do programa no Eurogrupo de 5 de maio e, depois, nas celebrações, que o Governo promoveu a 17 de maio, data oficial do fim do programa.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

Os parceiros europeus olham, agora, com grande relutância para a eventualidade de Portugal poder, mesmo, avançar para a não conclusão do programa.

Os parceiros europeus veem-se numa situação complicada, pois não podem aplicar grande pressão pública para que o Governo avance e faça o necessário para terminar o programa, já que fizeram esses mesmos festejos dizendo que o programa já tinha acabado. Olham, agora, com grande relutância para a eventualidade de Portugal poder, mesmo, avançar para a não conclusão do programa, minando a credibilidade política que os parceiros europeus colocaram por detrás da decisão portuguesa de sair do período de ajuda externa sem um programa cautelar e no progresso do ajustamento português.

Na reunião, a representar Portugal, deverá estar a secretária de Estado do Tesouro, Isabel Castelo Branco, habitual representante de Portugal no grupo. Ainda não está previsto se a ministra das Finanças marcará presença. Maria Luís Albuquerque fez parte deste grupo enquanto secretária de Estado, quando Vítor Gaspar era ministro das Finanças.

O EWG é composto, normalmente, pelos responsáveis de cada país do euro que fazem parte da direção do Mecanismo Europeu de Estabilidade (MEE). O grupo é liderado, desde janeiro de 2012, por Thomas Wieser, um austríaco nascido nos Estados Unidos, que vai no seu segundo mandato como presidente. Entre os presidentes anteriores esteve, por exemplo, o atual presidente do Banco Central Europeu, Mario Draghi. O EWG é caracterizado pela discrição e não deu qualquer indicação pública de que estaria em Lisboa para a reunião desta quinta e sexta-feira.