David Cameron prepara-se para dois dias difíceis depois de os apoios prometidos por vários países para travar a nomeação de Juncker terem caído por terra e por ser neste momento o único a defender uma alternativa ao ex-primeiro-ministro luxemburguês. A votação no Conselho Europeu, inédita no processo da escolha de presidente da Comissão, não parece preocupar Merkel. “Não há drama” diz a chanceler, sabendo que uma votação só vai mostrar que Cameron está cada vez mais isolado.

Os jornais ingleses estão a qualificar esta reunião de chefes de Estado e Governo da União Europeia, que, para além da reunião do Conselho Europeu para decidir o nome do próximo presidente, vai ainda incluir uma homenagem conjunta aos combatentes da I Guerra Mundial, como “humilhante” para David Cameron. Isto porque tudo indica que perdeu todos os apoios (aparentemente só Viktor Órban, primeiro-ministro da Hungria, ainda está ao seu lado) entre os líderes europeus para travar a nomeação de Juncker. Mesmo assim Cameron pediu uma votação para escolher o sucessor de Barroso, algo que nunca aconteceu já que costuma haver consenso sobre o nome. Arrisca-se assim a ser esmagado em Ypres pelo voto favorável a Juncker, mas não deixa de marcar o seu ponto para consumo interno, face a uma opinião pública cada vez mais eurocética.

“Nós temos a maioria. Não há drama nenhum se decidirmos por maioria qualificada” disse Merkel nesta quarta-feira. O jantar de hoje à noite não deixará por isso de ser desconfortável para o primeiro-ministro britânico que prometeu “lutar até ao fim” para impedir Juncker de chegar ao lugar de topo em Bruxelas. Cameron até pôs a hipótese de recorrer ao “compromisso de Luxemburgo”, um mecanismo de veto informal criado na crise da Cadeira Vazia na década de 60, mas os seus conselheiros ter-lhe-ão dito que não havia razão para a invocação deste mecanismo e que neste caso a “regra não é aplicável”. Mesmo assim havia em Bruxelas algum receio de que o primeiro-ministro britânico recorresse a este mecanismo, visto como uma espécie de “bomba atómica”.

Assim, o desfecho mais provável é que Cameron seja vencido nestes dias de Conselho Europeu e comece já a renegociar as alterações às condições de adesão do Reino Unido – uma das razões da sua veemente oposição a Juncker e talvez a única vantagem desta guerra institucional. Por um lado, agradou à opinião pública britânica por ter defendido a sua posição, por outro, tal como John Major lembrou na semana passada, a União Europeia tenta sempre compensar os vencidos, para toda a gente ter um final feliz. Esta renegociação será crucial para dar força a quem apoia a manutenção do Reino Unido na UE no referendo de 2017, onde se vai perguntar aos britânicos se querem sair ou ficar nas instituições comunitárias.