Luis Suárez mordeu o ombro de Giorgio Chiellini, a 24 de junho, no encontro entre o Uruguai e a Itália, no último Mundial. Isso já se sabe. Também se sabia que, como castigo, a FIFA aplicara uma suspensão de quatro meses ao avançado uruguaio. Logo, só poderia voltar a jogar a 26 de outubro. Entretanto, Suárez foi contratado pelo Barcelona, quis dar a volta ao castigo e recorreu para o Tribunal Arbitral do Desporto (TAS). Mas nada feito — a suspensão é mesmo para cumprir. Mas há uma novidade: Luis Suárez já pode treinar com o plantel do Barça.

Pouco depois das 14h, prazo que o TAS havia indicado para se pronunciar sobre o recurso apresentado por Luis Suárez e pelo Barcelona, a 8 de agosto, o tribunal divulgava a sua decisão. “O TAS confirmou parcialmente o recurso. As sanções impostas ao jogador pela FIFA foram, no geral, confirmadas”, começou por escrever a entidade, antes de indicar as alterações — “no entanto, a suspensão de quatro meses apenas será aplicada a jogos oficiais”.

Eis a primeira diferença. Com esta retificação, Luis Suárez poderá estar no Troféu Joan Gamper, último amigável da pré-época do Barcelona, que se realiza em Camp Nou, a 18 de agosto.

E há mais. O tribunal rejeitou o recurso do avançado uruguaio, mas autorizou-o a treinar com o Barcelona. “No entender do TAS, a generalidade das sanções aplicadas foram apropriadas. Mas considerou que a proibição de entrar em estádios e de [participar] em ‘qualquer atividade relacionada com futebol’ é excessiva, pois esta medidas teriam impacto no jogador após o fim da suspensão”, defendeu, em comunicado.

O castigo ditado pela FIFA, recorde-se, proibira Suárez de efetuar qualquer atividade relacionada com futebol, incluindo a presença em recintos desportivos. O jogador, aliás, nunca chegou a ser apresentado oficialmente como jogador do Barça por esse motivo.

Moral da história — em suma, nada se altera. Luis Suárez só poderá voltar a jogar a 26 de outubro. A decisão do TAS, contudo, permite que o uruguaio chegue a esse dia já com dezenas de sessões de treino nas pernas. Ou seja, pelo menos, deixa-o preparar-se com os restantes jogadores do Barcelona para o duelo com o Real Madrid, agendado precisamente para essa data.

O TAS, recorde-se, era a única instância que poderia alterar a suspensão aplicada pela FIFA.

Documentos