O presidente catalão, Artur Mas, considerou neste domingo a jornada de participação um “êxito total”, um dia “inesquecível na história da Catalunha” em que mais de dois milhões de pessoas deram um “passo de gigante” para decidir o seu futuro. “Este 9N figura como uma data já inesquecível na história da Catalunha”, disse Artur Mas, ainda sem que fossem conhecidos resultados da votação.

Para Artur Mas, os votantes deram “um passo de gigante” no objetivo “amplamente partilhado” de “poder decidir em algum momento, em total liberdade e com plenas garantias, o futuro” da Catalunha. Agradecendo aos “muito mais de dois milhões de pessoas que participaram e votaram”, Mas disse que esta participação foi “um êxito total”, especialmente pelas condições em que o voto se realizou.

Em catalão, espanhol, inglês e francês, Mas agradeceu aos mais de 40 mil voluntários que permitiriam que a consulta se realizasse.

“Mostraram que a Catalunha é muito grande. Ajudaram primeiro, com o seu civismo exemplar, numa jornada de grande civismo. Agradeço também pela lição de democracia, em maiúsculas, que deram”, disse. “E também por acreditarem no seu país, por acreditarem na Catalunha, por lhe darem a dignidade que merece”, acrescentou.

Artur Mas falava no centro de imprensa criado pelo Governo regional para os mais de 600 jornalistas acreditados, de todo o mundo, para acompanhar a jornada de hoje, quando ainda decorria a contagem dos votos. Em catalão, espanhol, inglês e francês, Mas agradeceu aos mais de 40 mil voluntários que permitiriam que a consulta se realizasse, considerando ter para com eles “uma dívida de gratidão pela sua generosidade, sentido de país e sentimento de país”.

Artur Mas deixou também mensagens para o Estado espanhol, a quem disse que pretendia falar “de forma cordial e amável”.

Depois de agradecer às autarquias e às entidades locais que apoiaram na realização do voto, Artur Mas deixou uma mensagem para as forças que, na Catalunha, apoiam o direito a decidir. “Esta foi uma simbiose perfeita entre instituições públicas, entidades e tecido associativo e as pessoas. Quando andamos juntos, avançamos mais e melhor. Esta mensagem é importante para os próximos dias, semanas e meses”, disse.

Artur Mas deixou também mensagens para o Estado espanhol, a quem disse que pretendia falar “de forma cordial e amável”, ainda que considerando que a reação do executivo em Madrid ao voto de hoje demonstre “miopia política, indiferença e até intolerância”. “Madrid tinha uma oportunidade de ouro de, perante uma mensagem potente da sociedade catalã, dar também uma mensagem de que quer resolver esta questão de comum acordo”, afirmou.

Artur Mas deixou também mensagens para o Estado espanhol, a quem disse que pretendia falar “de forma cordial e amável”, declarou Artur Mas.

Segundo Mas, o voto de hoje e a elevada participação deixaram “muito claro” que a Catalunha se quer governar a si própria, “uma velha aspiração do país, feita há séculos”, e que “se mantém perfeitamente viva” e “compatível com a construção politica de uma Europa mais forte e mais unida”. Agora, afirmou, os catalães querem decidir o seu futuro político porque “todas as nações têm o direito a decidir o seu futuro”.

“Demos uma lição de democracia e de participação, reforçando o direito natural que têm todas as nações. Os Estados maduros respeitam e tornam possível que se exerça esse direito, como ocorreu na Escócia ou no Quebeque”, disse. Artur Mas deixou também mensagens para o Estado espanhol, a quem disse que pretendia falar “de forma cordial e amável”