Conselho Europeu

Presidente do Conselho Europeu Donald Tusk chegou, viu e “agora vamos ver”

No primeiro dia em funções como presidente do Conselho Europeu, Donald Tusk, ex-primeiro-ministro polaco, teve um dia cheio: falou com Juncker, com Obama... E não largou o Twitter.

A passagem de testemunho

AFP/Getty Images

Chegou esta segunda-feira ao cargo de presidente do Conselho Europeu, mas como um homem conhecido pela sua assertividade, Donald Tusk já enumerou as suas prioridades: proteger a liberdade e unidade da União, reforçar a segurança das suas fronteiras e ajudar vizinhos que partilhem os valores comunitários e manter uma boa relação com os Estados Unidos. Dito e feito, pelo menos neste último ponto. Tusk já falou com Obama e diz que vai acelerar as negociações do acordo de comércio livre entre a União Europeia e os Estados Unidos.

A entrada em cena não foi discreta e, depois do aperto de mão cordial ao seu antecessor, afirmou que a Europa está ameaçada e tem inimigos. “A política regressou à Europa. A história está de volta. Nestas alturas é preciso liderança e unidade política”, disse perante os jornalistas em Bruxelas, seguindo-se um encontro com Jean-Claude Juncker e um telefonema com Barack Obama. Um dia em cheio, que fez questão de reproduzir no Twitter e no Youtube.

Durante a sua estreia, o novo presidente do Conselho Europeu fez questão de mostrar entusiasmo na conta oficial de Twitter:

As diferenças entre o novo presidente e o seu antecessor foram visíveis desde o dia um. Van Rompuy, ex-primeiro-ministro belga e detentor deste cargo nos últimos cinco anos, é conhecido por ser uma figura discreta, que exerce o seu poder nos bastidores e nos tempos livres se dedica a escrever poesia japonesa. Já Tusk, que se tornou na primeira figura do Leste a assumir um alto cargo em Bruxelas e formará uma tríade de poder com Jean-Claude Juncker, presidente da Comissão e Federica Mogherini, Alta Representante da União para os Negócios Estrangeiros e a Política de Segurança, nunca se coíbe de partilhar as suas opiniões e defender as suas posições políticas, que geralmente são firmes.

Apesar de não ser conhecido o teor da conversa com Juncker, com quem se vai encontra periodicamente nos Conselhos Europeus – que reúnem periodicamente os líderes dos 28 Estados-membros -, na ordem de trabalhos deve ter estado a próxima reunião agendada para os dias 18 e 19 deste mês. Aí estarão em discussão assuntos como o plano de crescimento Juncker que quer injetar 315 mil milhões de euros na economia europeia e a transparência fiscal, um dos temas centrais da Comissão depois de ser conhecido o escândalo Lux Leaks.

Para além disto, a semana do novo presidente vai ser recheada com outros encontros: Martin Schulz, presidente do Parlamento Europeu, Ashraf Ghani, presidente do Afeganistão, os primeiros-ministros da Finlândia, da Letónia e da Bulgária e ainda uma reunião com o secretário-geral da NATO, Jens Stoltenberg.

Num almoço com o Financial Times publicado no final da última semana, Donald Tusk disse que ele próprio já estava cansado de ser primeiro-ministro depois de de sete anos em funções e afirma que nasceu para tarefas difíceis. Nos próximos tempos os desafios são complexos com a crise na Ucrânia, a lenta recuperação europeia e a possibilidade da saída da Grã-Bretanha, mas Tusk não vacila: “Eu acredito na Europa. Não como um euro entusiasta ou um federalista inocente, mas porque sou um polaco patriota e é por isso que não tenho qualquer conflito na minha consciência”, afirmou – o jornalista garantiu que também o nível de inglês do ex-primeiro-ministro polaco melhorou, tal como tinha prometido quando foi nomeado em setembro.

Fica agora por saber se os seus poderes como presidente do Conselho Europeu vão permitir ao polaco a margem de manobra que tinha como primeiro-ministro. Formalmente Tusk tem agora como funções preparar os trabalhos do Conselho Europeu, facilitar a coesão e consenso entre os líderes europeus e ajudar na coordenar da política externa. Um trabalho que deve ser pouco visível, mas muito eficaz. Uma tarefa que à partida pode ser difícil para um homem habituado a estar no centro das atenções.

Um dos últimos Tweets na sua conta pessoal dava o pontapé de saída para esta nova vida: “Cheguei, vi e agora vamos ver o que acontece. Bruxelas, aqui vou eu”.

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Finanças Públicas

Como evitar um 4º resgate? /premium

Paulo Trigo Pereira

Portugal necessita de mais doze anos (três legislaturas completas) de crescimento económico e de finanças públicas quase equilibradas para sair da zona de risco financeiro em que ainda se encontra.

Brexit

Boris Johnson /premium

João Marques de Almeida

Em Londres, só um louco ou um suicida é que defenderiam o acordo assinado com a União Europeia. Resta saber se os líderes europeus terão a lucidez de reconhecer o evidente: o acordo que existe morreu.

Ambiente

A onda verde na UE e os nacionalismos

Inês Pina

Se hoje reduzíssemos as emissões de CO2 a zero já não impedíamos a subida de dois graus centígrados. E estes “míseros” dois graus vão conduzir ao fim das calotas polares e à subida do nível do mar.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)