A estrela da música punk Patti Smith e a irmã mais famosa do momento, Cristina Scuccia, foram os grandes destaques do concerto de Natal organizado pelo Vaticano. Os vários músicos atuaram perante bispos e cardeais católicos, no Auditorium Conciliazione, em Roma.

A escolha foi um desejo pessoal do Papa Francisco e que chegou a dividir a Cúria romana e os grupos cristãos, de acordo com o Corriere del Mezzogiorno. Em 1975, a “poetisa do punk” foi acusada de blasfémia depois de ter lançado a música “Gloria”, onde se ouvia Smith a cantar os versos que chocaram a Igreja Católica – “Jesus died for somebody’s sins, but not mine” [“Jesus morreu pelos pecados de alguém, mas não pelos meus”, em português].

Este sábado, Patti Smith publicou um texto no jornal italiano La Repubblica em que elogia o Papa Francisco. Admite que não segue nenhuma religião, mas defende que o rock não é incompatível com a espiritualidade.

O DJ Bob Sinclair e a freira Cristina Scuccia, que se tornou mundialmente conhecida depois de ter vencido a edição italiana do programa de talentos The Voice, onde interpretou, entre outros temas, “Like a Virgin”, de Madonna, foram outros dos convidados. Esta semana, a freira pôde finalmente conhecer o Papa Francisco e deu-lhe o seu CD, onde consta o sucesso de Madonna.

As cerca de quatro horas de música foram gravadas e serão emitidas em Itália na véspera de Natal.