O Banco da Grécia garantiu este domingo que a situação dos depósitos nos bancos gregos está “completamente controlada”, face a notícias sobre um movimento de levantamento massivo de depósitos.

Em comunicado, o Banco da Grécia realça que “não estão corretas” as informações que surgiram nos meios de informação, segundo as quais o Banco Central Europeu (BCE) poderia garantir liquidez aos bancos gregos antes das eleições de 25 de janeiro.

O banco central grego sublinhou, igualmente, que o BCE está a oferecer linhas de crédito a países sujeitos a resgate desde 2010, algo que não mudou.

A possibilidade de vitória do Syriza, de esquerda, provocou nervosismo nos mercados nas últimas semanas, com uma queda na Bolsa de Atenas.

Numa entrevista ao jornal norte-americano Wall Street Journal, o ministro grego das Finanças, Gikas Jarduvelis, garantiu que, nos últimos meses, os depósitos bancários se reduziram em 3.000 milhões de euros, muito menos, sublinhou, do que os 70.000 milhões dos últimos cinco anos.

“A probabilidade de uma fuga de capital é mínima. Os cidadãos percebem que os depósitos estão seguros”, disse o ministro, admitindo que uma vitória do Syriza poderia “complicar os esforços da Grécia para negociar uma nova linha de crédito com os seus credores”.

Alexis Tsipras, líder do Syriza, tem vindo a defender que um Governo do seu partido nao pretende abandonar o euro, admitindo, todavia, uma negociação dura com a ‘troika’ (Banco Central Europeu, Fundo Monetário Internacional e Comissão Europeia).