Futuro da Grécia

Tsipras acusa Portugal e Espanha de liderarem eixo para derrubar o Governo do Syriza

3.916

O primeiro-ministro grego acusou Portugal e Espanha de quererem dificultar as negociações com a União Europeia e de conspirarem para derrubarem o seu governo.

AFP/Getty Images

O primeiro-ministro grego Alexis Tsipras acusou Portugal e Espanha de terem conduzido uma conspiração para derrubar o seu governo, adianta a Reuters.

Num discurso dirigido aos membros do seu partido, Tsipras acusou os dois países de terem tornado difíceis as negociações com a União Europeia, que levaram à extensão do programa de resgate por mais quatro meses. “Descobrimos que existem eixos de poder que se opõem a nós, conduzidos pelos governos de Portugal e Espanha e que, por razões políticas óbvias, tentaram destruir as negociações”, referiu este sábado.

“O plano deles era e é desgastar, derrubar ou fazer o nosso governo render-se incondicionalmente antes que o nosso trabalho comece a dar frutos e antes que o exemplo grego afete outros países”, disse. “E principalmente antes das eleições em Espanha”, acrescentou.

No mesmo discurso, Tsipras rejeitou também as críticas de que Atenas encenou um recuo para garantir a extensão do resgate, dizendo que a raiva sentida pelos conservadores alemães é um sinal de que o governo grego conseguiu algumas concessões.

Na entrevista publicada este sábado no Expresso, Passos Coelho recusa que Portugal tenha sido o mais duro do euro contra a posição do novo Governo da Grécia nas negociações do Eurogrupo. “Houve seguramente países muito mais preocupados com as condições em que se haveria de começar esta conversa com a Grécia do que o Governo português”.

Passos entende, aliás, que a Grécia tem muito caminho difícil pela frente.“Posso expressar o desejo de que a Grécia se mantenha no euro e resista a esta prova difícil, que é importante para toda a União Europeia”, diz, recusando porém dizer se confia que o Governo de Tsipras consiga cumprir as condições estabelecidas pela troika. “Até hoje a única coisa que se passou foi isso: a extensão do empréstimo e também do programa”.

Admitindo não ter ainda falado pessoalmente com o líder do Syriza, o primeiro-ministro português admitiu que falará com o Alexis Tsipras no próximo Conselho Europeu, a meio de março.

As notícias sobre as posições duras assumidas por Portugal e Espanha no Eurogrupo )que acabou por dar luz verde à extensão do programa grego e do empréstimo da troika) começaram por sair na televisão grega e foram comentadas pelo próprio Yanis Varoufakis na conferência de imprensa final: “Eu comprometi-me a dizer a verdade, mas também há uma coisa chamada boas maneiras. Foi claro na reunião que os ministros de Espanha e Portugal que são motivados pelas prerrogativas políticas deles, eu respeito isso. O importante é termos uma conversa sensível sobre como a Grécia — e também Portugal — podem crescer e pagar as suas dívidas. Para fazer isto tenho que manter uma boa relação com a minha colega. Permitam-me, assim, que não continue esta conversa a este ponto.”

No dia seguinte, já depois do ministro espanhol ter dito que não esteve contra o acordo, a ministra Maria Luís Albuquerque fez declarações à TVI dizendo-se satisfeita com o acordo alcançado e negou que tenha feito oposição ao entendimento que consagrou a extensão do financiamento da Grécia durante quatro meses. “Não sugeri a alteração de uma vírgula” ao texto, “a minha intervenção foi construtiva”, afirmou Maria Luís Albuquerque, acrescentando que apenas defendeu que os “procedimentos habituais” fossem seguidos nesta situação.

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: rcipriano@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)