A Grécia até pode receber mais cedo a última tranche do empréstimo europeu, afirmou nesta sexta-feira Angela Merkel, mas para isso tem de cumprir as condições do programa, tal como ficou acordado no acordo de 20 de fevereiro no Eurogrupo.

No final da cimeira dos chefes de Estado e de Governo em Bruxelas, a chanceler alemã falou aos jornalistas e passou uma mensagem coordenada. Dinheiro mais cedo, sim, mas as condições para obter esse dinheiro são as mesmas. Não há cedências.

O acordo com a Grécia daqui em diante só mesmo tendo por base o que foi acordado no Eurogrupo em fevereiro, quando foi acordada uma extensão por quatro meses do programa de ajustamento da Grécia. Para que a Grécia receba a tranche final do programa, estará dependente da avaliação das instituições (grupo também conhecido como troika, consoante a geografia).

A Grécia poder então receber o dinheiro “mais rapidamente”, antes do final de junho (quando termina o programa, se cumprir as condições acordadas com a zona euro e se o Eurogrupo der o aval à transferência da tranche, diz a governante alemã.

Angela Merkel diz ainda que não irá participar em qualquer debate em torno de uma eventual saída da Grécia do euro e que todas as ações que estão a ser tomadas vão nesse sentido.

“Não entrei nesse debate antes e não o vou fazer agora. (…) Tudo o que fazemos tem como objetivo apontar o caminho para manter a Grécia com parte do euro, como fizemos com sucesso nos anos mais recentes”, disse a chanceler alemã.

União Europeia vai dar mais dois mil milhões à Grécia

Já do lado da Comissão Europeia, Jean-Claude Juncker admitiu que a Grécia sofre atualmente uma crise humanitária e, nesse sentido, a União Europeia vai disponibilizar para a Grécia mais dois mil milhões de euros em fundos europeus que não tinham destino escolhido para ajudar a combater a crise.

O destino desses fundos será decidido em conjunto com a União Europeia.