Eleições Presidenciais

Personalidades lançam petição para apoiar Maria de Belém à Presidência. Reitores entre os nomes

798

Petição já conta com cem subscritores e tem nomes como os reitores da Universidade Nova e do ISCTE. Candidatura de Nóvoa diz que Belém é uma candidata de "facção partidária".

JOSE SENA GOULAO/LUSA

Várias personalidades lançaram esta semana uma petição para apoiar Maria de Belém à Presidência da República. A petição vai ser dada a conhecer esta semana e conta com várias assinaturas de figuras de várias áreas da sociedade civil. Ao todo já são cem os notáveis que assinaram a petição.

A iniciativa partiu de um grupo de cidadãos e está a ser organizada por um apoiante da deputada do PS, que trabalha na área da saúde. Ao Observador, fonte do PS próxima de Maria de Belém confirma que a iniciativa conta já com várias assinaturas e que vai ser tornada pública esta semana. Entretanto, o jornal Expresso avança que a iniciativa foi organizada por Joshua Ruah, médico, que justifica a petição com a personalidade de Maria de Belém: “Além de ser mulher, o que é fundamental, além de ter experiência política, possui características de seriedade, imparcialidade e uma capacidade de estabelecer pontes que fazem dela a pessoa indicada para ser o próximo Presidente da República”.

Para já, grandes nomes da política ficam de fora desta petição, que pretende mostrar que Maria de Belém, ex-presidente do PS, tem apoios na sociedade civil além do plano político. No leque estão nomes como a escritora Rita Ferro e Leonor Xavier e a sexóloga Marta Crawford. Além destes nomes, há dois que sobressaem: o dos reitores da Universidade Nova, António Rendas e o reitor do ISCTE, Luís Reto. Os nomes sobressaem uma vez que já há um candidato da academia, Sampaio da Nóvoa, no terreno.

Ao Expresso, a candidatura de Sampaio da Nóvoa reagiu a esta iniciativa colando-a a uma intenção de divisão dentro do PS: “As declarações de adeptos de uma candidatura de Maria de Belém mostram que esta é uma candidatura de fação partidária, feita contra o secretário-geral do PS, destinada a dividir o PS, a esquerda e os portugueses. As eleições presidenciais não são nem podem ser uma segunda volta das eleições primárias do PS”.

A petição aparece numa altura em que o PS está dividido sobre o apoio nas eleições presidenciais. Na direção do partido, não é consensual um eventual apoio a Sampaio da Nóvoa e cresce no partido a ideia de o PS poder não dar apoio a nenhum candidato.

Maria de Belém tem mantido o silêncio sobre as suas intenções, não confirmando nem desmentido a candidatura, o que acaba por alimentar o tabu, ao mesmo tempo que espera por uma onda de apoio. Quem deu o tiro de partida foi a eurodeputada Ana Gomes, que sugeriu o nome da ex-presidente do partido durante uma comissão política do PS, logo depois das eleições primárias que elegeram António Costa como líder do partido. Maria de Belém tem sido falada desde então, e tem vindo a recolher apoios na praça pública.

Nos últimos tempos, várias têm sido as personalidades que se têm pronunciado sobre o assunto, apesar de ainda não haver uma estrutura oficial de candidatura.

Francisco Assis e João Proença, em declarações ao Observador, afirmaram que viam com “simpatia” a sua candidatura, por vir do centro-esquerda. Entre os seguristas, parece mais unânime o apoio à ex-presidente do partido, com Eurico Brilhante Dias, que é um dos nomes apontados como estando a organizar os apoios, a sublinhar ao Público que a “grande vantagem” da socialista em relação a outros nomes, como Sampaio da Nóvoa, é o facto de “ter índices de notoriedade muito elevados”. Outro dos apoios que é também falado é o de Manuel Alegre, mas o histórico socialista ainda não o declarou.

Ao Expresso, Maria de Belém chegou a admitir que havia “cada vez mais gente” a abordá-la no sentido de avançar, dizendo que não estava a causar nenhuma “fratura” interna. Mas sem confirmações.

NOTA: Notícia atualizada este sábado com mais informações do jornal Expresso.

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
PS

De novo, a propaganda socialista a chegar ao fim /premium

João Marques de Almeida
673

Uma certeza temos em relação aos governos do PS: está tudo a correr muito bem até ao dia em que começa tudo a correr muito mal. É quando a “política de comunicação” se torna curta para tanta realidade

Política

A protecção da família em Portugal

Luiz Cabral de Moncada

A família, enquanto célula principal da sociedade e berço da moral, como bem se sabe na Calábria, está mais garantida do que nunca. Nunca será esquecida pelos partidos quando no poder político.

Segurança Social

Não tinha de ser assim /premium

Helena Matos
363

Em 1974, politicamente bloqueado, o país aguardava que os militares tratassem do assunto. O assunto era o Ultramar. Em 2019, o país está bloqueado de novo. O assunto chama-se Estado Social.

Administração Pública

A (Des)orientação ao Cidadão

Carlos Hernandez Jerónimo

Não basta produzir plataformas e sistemas mesmo que em co-criação com o cidadão, que apenas ligam dois pontos em linha reta e que ao mínimo desvio empurram o cidadão para o balcão e a fila de espera. 

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)