O vencedor (ou vencedores) do Prémio Nobel da Paz vai ser conhecido na próxima sexta-feira. Já começaram as apostas, as opiniões e os prognósticos dos especialistas. E um português pode ser galardoado. A chanceler alemã Angela Merkel e o Alto Comissariado das Nações Unidas para os Refugiados (ACNUR), presidido por António Guterres, perfilam-se como principais candidatos segundo algumas opiniões especializadas.

O diário alemão Bild, e como cita o Público, considera Angela Merkel uma “séria candidata” ao Nobel da Paz pelo seu papel nas crises da Ucrânia e dos refugiados. Quem fez o prognóstico foi o diretor do Instituto Prio, especialista no processo de atribuição deste Nobel, Kristian Berg Haprviken: “Angela Merkel terá o Nobel da Paz. Penso que a crise europeia dos refugiados, ou melhor a crise mundial de refugiados, vai ter atenção do comité Nobel este ano. E Angela Merkel foi a pessoa que tomou a liderança.” No entanto há que fazer uma ressalva. Estas são apenas previsões. E estas até costumam falhar.

Outro dos especialistas a fazer prognósticos é o historiador Asle Sveen. Este, citado pelo mesmo jornal, aposta também no tema refugiados e no ACNUR: “Penso que o ACNUR está no topo da lista, assim como Mussie Zerai, o padre da Eritreia que teve um papel central na ajuda aos refugiados que atravessaram o Mediterrâneo, do Norte de África para a Europa.” No entanto o mesmo historiador ressalva que a ACNUR já foi galardoado com este prémio duas vezes, em 1954 e 1981. O que pode dificultar a escolha desta instituição. Ou não. Neste caso, seria Guterres a receber o prémio na Suécia.

Para além destes candidatos, Sveen aponta, e citado pelo El Mundo, nos protagonistas do acordo de paz da Colômbia. São eles o Presidente Santos e o guerrilheiro Timochenko: “De todos os processos de paz que neste momento podem ter um impacto real, este é o mais prometedor.”

Outro aspeto a ter em conta é o 70º aniversário, que se celebra este ano, dos bombardeamentos a Hiroshima e Nagasaki. Numa altura em que as armas nucleares andam nas bocas do mundo, o Nobel da Paz pode também sair daqui.