Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

Muitos miúdos – e graúdos também – correm o risco de ficarem dececionados este Natal: talvez não venham a encontrar entre os presentes os seus blocos de construção preferidos da Lego. A empresa dinamarquesa está com dificuldades para conseguir responder às solicitações das lojas de brinquedos na Europa.

“A demanda por produtos Lego durante o primeiro semestre de 2015 foi significativamente maior do que as expectativas e projeções — tanto nossas, como dos nossos clientes — e isso colocou uma pressão significativa sobre instalações fabris do Grupo Lego,” disse ao Observador Roar Rude Trangbæk, porta-voz da empresa, por email.

As vendas da empresa dinamarquesa cresceram 18 por cento no primeiro semestre deste ano e atingiram 14 mil milhões de coroas dinamarquesas (cerca de 18 mil milhões de euros), à frente das gigantes Mattel, com 16 mil milhões de euros, e da Hasbro, cujas receitas atingiram 13 mil milhões de euros. Após ter derrubado a concorrência, a Lego tornou-se na maior produtora de brinquedos do mundo em termos de receita no primeiro semestre deste ano e pode estar a ser vítima do seu próprio sucesso. 

A empresa afirmou que não vai ser possível responder positivamente a todas as encomendas realizadas até ao fim do ano. Isso que pode significar que a procura que se prevê que seja mais elevada em época de presentes de Natal não seja satisfeita.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

“Apesar de todos os nossos esforços e devido à elevada procura, não estamos em posição de poder entregar todos os outros produtos que as lojas nos encomendaram até ao fim de 2015,” confirmou Trangbæk.

O porta-voz reiterou que a escassez de peças e brinquedos Lego é um problema “em vários países da Europa”. No entanto, não adiantou se Portugal seria um desses países, nem quais seriam os outros. “Não fazemos comentários sobre mercados específicos,” disse Trangbæk, embora tenha frisado que o problema não se estende a mercados fora do continente europeu.

A decepção pode ser maior para quem gosta de Lego e é fã de Star Wars (cujos bilhetes para o novo filme que estreia a 17 de dezembro começaram esta segunda-feira a ser vendidos em Portugal): é que a marca prevê o lançamento de uma série temática em simultâneo com o próximo filme da saga.