O Governo decidiu esta quinta-feira, em Conselho de Ministros, que o aeroporto de Lisboa passa a chamar-se, a partir de 15 de maio, aeroporto Humberto Delgado, data de nascimento do general. A decisão foi tomada dois dias antes da data em que assinalam os 51 anos do seu assassinato.

“Foi uma figura maior da oposição ao regime da ditadura, teve um papel muito relevante na área da aviação civil”, declarou o secretário de estado, realçando que foi Humberto Delgado que presidiu à fundação da TAP e que “por isso é muito justa esta atribuição do nome ao aeroporto”.

“É homenagear um herói da liberdade”

Frederico Delgado Rosa, neto de Humberto Delgado e autor de dois livros sobre o general, diz que colocar o seu nome no aeroporto é “homenagear um herói da liberdade”.

Em declarações ao Observador, o professor Frederico Delgado Rosa, lembra que esta homenagem que, mais do que uma opção política, tem um impacto internacional. “Numa altura de medos relacionados com o terrorismo, com a segurança nos aeroportos, com os refugiados, é importante que um aeroporto tenha o nome de um herói da liberdade”, disse ao Observador.

Frederico Delgado Rosa é autor dos livros “Humberto Delgado e a Aviação Civil” e “Humberto Delgado, o General sem medo”.

No Facebook, na página que criou após o lançamento do livro –– Humberto Delgado – General Sem Medo –, Frederico lembra ainda que “o aeroporto da capital portuguesa entra assim no grupo seleto dos aeroportos internacionais cujos nomes celebram grandes vultos históricos do século XX, como o aeroporto J.F. Kennedy, o aeroporto Charles De Gaulle, o aeroporto Amílcar Cabral, o aeroporto Leopold Senghor, o aeroporto Nelson Mandela ou o aeroporto John Lennon, entre outros”.

Humberto Delgado foi o fundador da TAP e o homem que modernizou e expandiu os aeroportos do país. Na mesma página, o neto lembra que foi o seu avô, muito antes de se tornar o General sem Medo, quem “firmou os acordos de liberdade aérea do pós-Guerra, estabeleceu a primeira ligação aérea comercial entre Lisboa, Luanda e Lourenço Marques (atual Maputo), conquistou para Portugal o controlo do tráfego aéreo do Atlântico Norte, colocou os Açores à escala do mundo através do aeroporto de Santa Maria, depois de na 2ª Guerra ter sido protagonista da cedência da Base das Lajes aos Aliados”.

Delgado foi também o primeiro representante de Portugal na Organização da Aviação Civil Internacional, e quem, já na década de 50, adaptou aos aeroportos aos aviões a jato. Foi também o responsável por a aviação civil internacional comunicar em metros e não em milhas.

Recado para o Porto

O ministro do Planeamento, Infraestruturas e Transportes remeteu ainda para o Conselho Executivo da TAP a resposta à ameaça de boicote pelo presidente da Câmara do Porto na sequência de alterações de rotas que servem esta cidade.

Pedro Marques falava em conferência de imprensa no final do Conselho de Ministros, depois de confrontado com as mais recentes posições contra a estratégia da TAP por parte do autarca Rui Moreira.

“Não farei comentários sobre a TAP no que respeita ao estabelecimento de rotas aéreas, ou de frequências de rotas aéreas. As competências concretas relativas a rotas ou frequências são da Comissão Executiva da TAP”, declarou Pedro Marques.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR