Rádio Observador

Pedro Passos Coelho

Passos sobre livro com revelações íntimas de políticos: “O autor é ele, não sou eu”

949

Carlos César diz que o líder do PSD se prepara para "apadrinhar" um "livro de mexericos da vida sexual de políticos", Passos distancia-se da obra de José António Saraiva: "O autor é ele, não sou eu".

António José/LUSA

O livro de “mexericos da vida sexual de políticos”, como o apelidou Carlos César, do ex-diretor do semanário Sol, José António Saraiva, já entrou para o debate político. À mesma hora em que, o líder parlamentar e presidente do PS aludia ao facto de Pedro Passos Coelho ter aceitado o convite para apresentar (ou “apadrinhar”) a obra, no próximo dia 26 de setembro, o líder do PSD respondia sobre o tema. Numa visita a Proença-a-Nova, Pedro Passos Coelho distanciou-se do conteúdo do livro, mas manteve-se firme na intenção de o apresentar. “O autor é ele, não sou eu, não vou defender o livro nem as suas perspetivas”, disse, sublinhando até que ainda não teve “oportunidade” de completar a leitura da obra.

“O arquiteto José António Saraiva convidou-me para o lançamento do livro, eu disse que sim até antes de conhecer a obra, que é dele não é minha. Aceitei fazê-lo e não sou de voltar com a palavra atrás, nem sou de me desculpar e dar o dito pelo não dito“, começou por dizer o ex-primeiro-ministro quando questionado sobre o desconforto que o assunto estava a levantar nas hostes sociais-democratas.

Mantendo-se firme na intenção de levar adiante o compromisso que fez com o autor do livro, ex-diretor do Sol e do Expresso, Passos quis ao mesmo tempo distanciar-se do conteúdo da obra. “Cada um terá a sua opinião sobre o conteúdo, não fui eu que escrevi o livro tão pouco, o autor é ele não sou eu. Não vou defender o livro nem as suas perspetivas, ainda nem tive ocasião de completar a leitura, não é essa a questão”, disse.

Não comento questões dessa natureza, julgo que é importante que tudo o que se passa no plano editorial e jornalístico se faça dentro de certos limites mas respeitando a liberdade das pessoas e respeitando o que são as suas opiniões e a sua visão. Não temos de estar de acordo com o que os jornalistas escrevem, com as opiniões que emitem e apreciações que fazem. Tenho respeito pelo arquiteto José António Saraiva e isso foi o que mais quis destacar quando decidi aceitar o convite que me dirigiu”, acrescentou.

Intitulado “Eu e os políticos – o livro proibido”, da Gradiva, a publicação revela pormenores das vidas pessoais e íntimas de políticos e de outras personalidades. A apresentação do livro está prevista para o próximo dia 26, em Lisboa, e contará com a presença de Pedro Passos Coelho. José António Saraiva foi diretor do Expresso durante cerca de 20 anos e lançou o Semanário Sol em 2006, do qual saiu no final do ano passado.

Passos ainda disse que não queria que a questão fosse transformada numa “questão partidária”, independentemente da “polémica que o conteúdo do livro venha a trazer”. Mas já foi tarde de mais. Pela mesma hora, em Coimbra, onde o PS está reunido para uma conferência intitulada “Desigualdade, território e políticas públicas” — classificada como a “rentrée” política do partido –, Carlos César já levava o tema para o debate partidário.

O líder parlamentar do PS começou por criticar “as rentrées políticas” de outras forças políticas, considerando que “estão mais viciadas nos piqueniques e nos comícios”. Depois, neste mesmo contexto, Carlos César procurou traçar um contraste entre essas aberturas do ano político e a iniciativa dos socialistas, que classificou como vocacionada para o debate, a reflexão “e o contraditório”.

“Bem sei, também, que esta realização [do PS] não tem a notoriedade da apresentação de um livro sobre mexericos da vida sexual de políticos (esse sim afanosamente apadrinhado pelo líder do PSD), mas sim estudar soluções para diminuir as desigualdades, o que pode não ser tão excitante”, disse.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: rdinis@observador.pt
Governo

A verdade da mentira

João Merino
732

Este governo geringoncico usa todos os artifícios e desinformação para criar uma ilusão de bem-estar e, com a complacência de uma boa imprensa, passa pelos pingos da chuva, imune a quase tudo.

Política

Os idiotas úteis da esquerda /premium

João Marques de Almeida
1.425

Pacheco Pereira e Marques Lopes querem fazer carreira na comunicação social como os cronistas de direita que atacam a direita. Eles querem ser a “direita” que a esquerda gosta.

Rui Rio

Portugal continua a não ser a Grécia /premium

Rui Ramos
396

Quando a Grécia se afundava em resgates, Passos impediu que Portugal fosse a Grécia. Agora, quando a Grécia se liberta da demagogia, é Rui Rio quem impede que Portugal seja a Grécia. 

Combustível

O mundo ao contrário /premium

João Pires da Cruz

Se o seu depósito é mais importante do que aquilo que os pais deste bebé sentiram quando lhes disseram que o filho deles morreu instantes depois do nascimento, é porque tem o mundo ao contrário.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)