Marrocos

Marrocos. Morte de vendedor de peixe leva milhares de manifestantes às ruas

Mouhcine Fikri morreu esmagado num camião do lixo que recolhia o peixe-espada que vendia. O funeral atraiu milhares à rua e o caso é comparado ao do tunisino que levou à primavera árabe.

Twitter/Karim_EH

Milhares de pessoas manifestaram-se em mais de 40 cidades de Marrocos contra o governo do país, na sequência da morte de um vendedor de peixe triturado num camião do lixo. O caso está a ser comparado ao da morte do vendedor de fruta tunisino, em 2011, que desencadeou o movimento que ficou conhecido como primavera árabe.

Segundo a imprensa marroquina, o caso aconteceu na cidade de Hoceima, quando a polícia confiscou ao pescador e vendedor de peixe Mouhcine Fikri todo o peixe-espada que tinha apanhado, por ser proibido pescar aquela espécie nesta altura do ano. Para tentar recuperar o seu peixe, Fikri, de 31 anos, atirou-se para dentro do camião do lixo que estava a fazer a recolha, e foi esmagado pelo sistema de compactação do veículo.

O funeral, no domingo, atraiu milhares de pessoas, e a procissão fúnebre contou com dezenas de carros pelas ruas de Hoceima. À noite, juntaram-se nas ruas de várias cidades do país milhares de pessoas a gritar “somos todos Mouhcine”.

Os manifestantes criticavam a atitude da polícia ao deixar morrer o pescador, mas o governo marroquino já veio negar o envolvimento dos agentes da polícia na morte de Fikri

O movimento das primaveras árabes começou, em 2011, na Tunísia, com a morte de um vendedor de fruta, Mohamed Bouazizi, também depois de a polícia lhe ter confiscado os produtos que estava a vender.

Ao ficar sem nada, Bouazizi pegou fogo a si próprio no meio da rua e tornou-se um símbolo da luta dos tunisinos contra o governo do país. O funeral contou com mais de 5 mil pessoas e o presidente Ben Ali demitiu-se na sequência do caso.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: jfgomes@observador.pt
Brexit

Boris Johnson /premium

João Marques de Almeida

Em Londres, só um louco ou um suicida é que defenderiam o acordo assinado com a União Europeia. Resta saber se os líderes europeus terão a lucidez de reconhecer o evidente: o acordo que existe morreu.

União Europeia

A Europa Social em questão

António Covas

A UE terá de conceber e implementar, por via de uma “cooperação reforçada”, um programa de ação em matéria de espaço social europeu, à semelhança do que se fez com o mercado único ou a moeda única.

Finanças Públicas

Como evitar um 4º resgate? /premium

Paulo Trigo Pereira

Portugal necessita de mais doze anos (três legislaturas completas) de crescimento económico e de finanças públicas quase equilibradas para sair da zona de risco financeiro em que ainda se encontra.

Brexit

Boris Johnson /premium

João Marques de Almeida

Em Londres, só um louco ou um suicida é que defenderiam o acordo assinado com a União Europeia. Resta saber se os líderes europeus terão a lucidez de reconhecer o evidente: o acordo que existe morreu.

Ambiente

A onda verde na UE e os nacionalismos

Inês Pina

Se hoje reduzíssemos as emissões de CO2 a zero já não impedíamos a subida de dois graus centígrados. E estes “míseros” dois graus vão conduzir ao fim das calotas polares e à subida do nível do mar.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)