Rádio Observador

Boas Festas

A história dos anúncios de Natal da Coca-Cola em 53 imagens

149

Do Pai Natal austero ao homem carinhoso vestido de vermelho. Já não há espírito natalício sem a magia Coca-Cola a pairar no ar. Conheça como a marca influenciou o Natal nos últimos 96 anos.

The Coca-Cola Company

[Este artigo foi originalmente publicado em dezembro de 2016.]

A noite de Natal está a apenas umas horas de distância e o imaginário das crianças já voa. Nas suas cabeças criativas, o senhor de barbas brancas vestido de vermelho está neste momento a preparar as renas para arrastarem o trenó pelo céu levando consigo um saco de tamanho infinito cheio de presentes. Para muitos dos miúdos, o Pai Natal é uma figura mágica que não tem verdadeiramente um nascimento: ele simplesmente existe. Para a maior parte dos adultos, o Pai Natal nasceu nos escritórios da Coca-Cola. Espante-se: as crianças têm mais razão que os crescidos.

É que a figura do Pai Natal é muito mais antiga que a própria marca. A figura é inspirada em São Nicolau, um cristão abastado muito rico do século III que, segundo a lenda, deixou moedas de prata e de ouro em meias e pendurou-as na lareira da casa de uma mãe que, por falta de dinheiro, prostituía as filhas na esperança que um dia as pudesse casar com homens de bem. A evolução de São Nicolau para as versões mais modernas do Pai Natal aparece em finais do século XVIII. Tudo o que a Coca-Cola fez foi vesti-lo de vermelho.

Foi em 1920 que o Pai Natal apareceu pela primeira vez num anúncio da Coca-Cola criado por Thomas Nast para ser publicado na revista The Saturday Evening Post. O desenho mostrava um homem com ar austero e não teve muito sucesso. Só quando a marca contratou o ilustrador Haddon Sundblom em 1931 é que o senhor da Lapónia conquistou finalmente as crianças. A imagem foi inspirada num poema de Clement Clark Moore chamado “Uma Visita de São Nicolau” que falava deste santo, sepultado em Itália, como sendo um homem afetuoso e simpático. Sundblom desenhou anualmente o Pai Natal para a Coca-Cola até 1964.

A imagem física do Pai Natal, no entanto, nada tem a ver com esse santo. É inspirada em Lou Prentiss, um vendedor que se tornou amigo de Sundblom e que se deixava desenhar para os anúncios da Coca-Cola. Quando o vendedor morreu, Sundblom começou a desenhar-se a ele mesmo. A imagem do Pai Natal da Coca-Cola tornou-se tão famosa que as pessoas começaram a levar a sério todos os seus passos: “Os anúncios tiveram tanto êxito que as pessoas os conheciam detalhadamente. Num ano, a Coca-Cola recebeu cartas a perguntar como tinha reagido a Mãe Natal quando o Pai Natal chegou a casa sem a sua aliança. Num outro ano, repararam que a fivela do cinto estava invertida: resultado de pintar e posar em frente ao espelho”, conta a marca no seu site.

Faça uma viagem pelo Natal da Coca-Cola na fotogaleria em cima.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: mlferreira@observador.pt
Cristianismo

O natal, os três reis magos e outras fantasias

Donizete Rodrigues
144

O mito dos três reis magos é apenas uma representação simbólica, um modelo explicativo de grande significado para reforçar a importância de Jesus como salvador e unificador de toda a humanidade

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)