O médico David Dao, que ficou popular depois de ter sido retirado à força do seu lugar a bordo de um voo da United Airlines, está de novo no centro da polémica – mas agora virada contra si. Em causa um passado pouco recomendável, ligado à prescrição ilegal de receitas, à venda de droga e cedência de medicamentos em troca de favores sexuais. Práticas a que se juntariam ainda o vício pelo jogo e outras práticas menos abonatórias.

Quando David Dao foi arrastado do lugar que ocupava num voo que ligava Chicago a Louisville, há cerca de uma semana, a situação foi gravada por vários passageiros e o vídeo correu mundo, gerando indignação e reações, das redes sociais às companhias concorrentes. O que David Dao não contava era que o seu passado viesse ao de cima depois do episódio rocambolesco a bordo da United Airlines.

Vários meios de comunicação noticiam agora práticas menos recomendáveis que envolvem o médico de origem vietnamita, que reside nos Estados Unidos desde 1975, quando fugiu da guerra do Vietname com a mulher, Teresa. O jornal El Español conta vários episódios polémicos que ao longo dos anos colocaram em causa a sua idoneidade profissional . O primeiro e talvez mais sonante que o jornal espanhol dá conta foi o facto de ter sido condenado a cinco anos de pena suspensa depois de ter sido considerado culpado pelo crime de submeter prescrições médicas de forma ilegal. Ato esse que também motivou a suspensão da sua atividade médica por mais de dez anos.

David Dao é casado com a pediatra Teresa Dao e em comum têm cinco filhos.

A lista comprometedora de David Dao continua com alegados favores sexuais em troca de prescrições ilegais e tráfico de analgésicos. Uma prática que lhe valeu uma condenação de cinco anos de pena suspensa. Também terá sido apanhado pea polícia num hotel onde traficava droga.

Uma alegada relação homossexual que manteve com um paciente é outro dos casos relatados. O vício do jogo, especialmente por póquer, onde terá ganho centenas de milhares de dólares, é mais um dos episódios ‘obscuros’ do passado que se vira agora contra o queixoso David Dao.

O Conselho de Medicina do Kentucky suspendeu a sua licença médica em 2003 e não levantou ainda a interdição, até 2016, por achar que David Dao era “um perigo para a saúde, bem-estar e segurança dos pacientes ou do público em geral”. Antes, Dao já tinha tentado voltar ao ativo em 2007 mas não obteve resposta positiva por parte do Conselho Médico.