A Polícia Judiciária, através da Unidade Nacional de Combate à Corrupção, e no âmbito de um inquérito dirigido pelo Ministério Público, deteve um homem e uma mulher pela presumível prática dos crimes de fraude na obtenção de subsídio, desvio de subsídio e falsificação de documentos.

No decurso da operação, que envolveu cento e sessenta elementos da Polícia Judiciária, um Juiz de Instrução Criminal e uma Procuradora da República, foram realizadas cinquenta e três buscas nas áreas de Leiria, Coimbra, Lisboa e Porto, das quais vinte domiciliárias, duas em escritórios de advogados e trinta e uma não-domiciliárias — sendo também realizadas duas buscas não-domiciliárias na Alemanha.

Foram ainda constituídos vinte e um arguidos, doze pessoas singulares e nove pessoas coletivas, e apreendidos doze veículos de gama alta, para além de diverso material relacionado com a prática da atividade criminosa em investigação.

A fraude consistia essencialmente na sobrefaturação de máquinas e equipamento com vista ao inflacionamento de incentivos a receber no âmbito do QREN.

Os detidos serão presentes ao Ministério Público para primeiro interrogatório judicial no Tribunal Central de Instrução Criminal. A operação contou com a colaboração de várias unidades orgânicas da Polícia Judiciária.

“A investigação prossegue com vista à continuação de recolha de prova e ao apuramento dos benefícios económicos ilegitimamente obtidos em prejuízo do Estado Português, cujo valor global ultrapassará os cinco milhões de euros”, adiantou a Polícia Judiciária.