A modelo britânica que foi raptada e drogada em Milão, para ser vendida na internet, falou dos momentos de terror vividos. Em declarações à polícia, a jovem de 20 anos contou o que lhe aconteceu no passado dia 11 de julho, num estúdio perto da estação central de Milão, quando uma pessoa de luvas pretas se aproximou por trás e colocou uma das mãos sobre o pescoço e a outra sobre a boca.

Uma segunda pessoa, que usava uma máscara de ski preta, deu-me uma injeção no meu antebraço direito. Acho que perdi a consciência. Quando acordei estava a usar um bodysuit cor-de-rosa e as meias com que estou agora”, disse à polícia, citada pelo jornal britânico The Telegraph.

Detido em Milão polaco suspeito de raptar e tentar vender modelo britânica na Internet

Assim que acordou, a jovem modelo apercebeu-se de que estava no interior do porta-bagagens de um carro, com os pulsos e os tornozelos algemados, além de ter a boca coberta com fita adesiva.

Eu estava dentro de uma bagageira e só conseguia respirar através de um pequeno buraco”, disse a modelo que, na companhia do advogado, visitou o falso estúdio, onde foi raptada, e a casa onde esteve sequestrada de 11 a 17 de julho de modo a ajudar na investigação policial.

A modelo, que ainda não foi identificada, foi enviada a Milão para uma alegada sessão fotográfica pelo seu agente no Reino Unido e ficou uma semana à mercê dos captores numa casa de campo em Borgial, uma aldeia perto de Turim. Os dois homens que a raptaram disseram fazer parte de uma organização chamada “Black Death” e ameaçaram vendê-la online caso um resgate de 300 mil dólares (mais de 250 mil euros) não fosse pago.

Impediram-me de fugir e ameaçaram matar-me se o fizesse”, contou ainda.

Lukasz Pawel Herba, de 30 anos e nacionalidade polaca, foi detido pela polícia e já confessou o rapto, o qual os investigadores acreditam ter sido planeado durante meses. A jovem modelo garantiu ainda à polícia que outros três homens de máscaras pretas estiveram envolvidos no rapto.

O certo é que, no final, o raptor terá decidido libertá-la depois de descobrir que era mãe de uma criança pequena e a ter considerado inadequada para o tráfico sexual.