Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

Marcellus Williams ia morrer esta terça-feira às seis da tarde. A administração da injeção letal estava no calendário da prisão estatal em Bonne Terre, no estado do Missouri, mas não chegou a acontecer. O governador do estado, Eric Greitens, travou a execução na última hora, depois de novas provas relacionadas com a análise de ADN terem colocado em causa a sentença.

Williams foi condenado em 1998 por alegadamente ter esfaqueado Felicia Gayle, de 42 anos, uma repórter do St. Louis Post-Dispatch durante uma tentativa de assalto à sua casa, em 1998. Mas os advogados de Williams, agora com 48 anos, dizem que os resquícios de ADN encontrados na arma no crime não correspondem ao ADN de Williams, mas sim ao de um outro elemento do sexo masculino desconhecido. Mas o procurador de St. Louis voltou a reforçar que havia “zero hipóteses” de ele ser inocente.

O Ministério Público do Missouri explicou também à imprensa porque é que continuava a acreditar que Williams é o culpado. Segundo os procuradores não é de estranhar que não haja ADN na faca porque, quando foi preso, Williams usava luvas. Além disso, o suspeito usou uma gabardina da cena do crime até à esquadra para cobrir uma t-shirt manchada de sangue.

O governador Greitens disse, entretanto, que vai escolher um painel com juízes ainda a exercer e outros já reformados para analisar o caso, mas não há data conhecida para a entrega deste parecer.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

“Estamos aliviados e agradecidos ao governador Greitens oor ter travado a pressa dos procuradores do Missouri e ter pedido o estabelecimento de uma quadro de especialistas que possam analisar o caso que agora contém novas provas de ADN que apoiam a presunção de inocência”, disse à CNN Nina Morrison, advogada da organização contra a pena de morte Innocence Project.

“Apesar de muitos americanos terem ideias muito diferentes sobre a pena de morte, há um consenso geral que aqueles que são condenados à morte devem ter todas as opções esgotadas antes de serem executados e o governador, hoje, honrou esse princípio”, acrescentou ainda Morrison.

Os defensores do fim da pena de morte nos Estados Unidos, que ainda existe em 31 estados, entregaram ao governador Greitens mais de 185 mil assinaturas contra a execução de Williams. Desde 1976 foram condenadas à morte, e morreram, 1458 pessoas. Há neste momento mais de 2000 pessoas nos chamados “corredores da morte” à espera do dia da execução.