A passagem do furacão Irma pelas ilhas de Barbuda e de São Bartolomeu — onde existe uma grande comunidade portuguesa — foi marcada por telhados arrancados, barcos destruídos e casas fortemente danificadas pelos ventos na ordem dos 300 quilómetros por hora, escreve o jornal caribenho La 1ère.

3 fotos

Em Barbuda, há relatos de que a ilha esteve inteiramente incontactável durante 4 horas. As primeiras e mal conseguidas comunicações de rádio dão conta da destruição mas não têm, para já, informação vítimas mortais. A ilha tem menos de dois mil habitantes.

O jornal adianta ainda que inúmeros habitantes de São Bartolomeu tiveram dificuldade em encontrar abrigo para aguentarem a passagem da tempestade. O próprio delegado da prefeitura do governo regional teve de ser evacuado por várias vezes durante a noite.

Contactadas pelo Observador, várias rádios e jornais locais, que cobriam a passagem do Irma em direto, garantiram estar a passar por “condições nunca antes vistas, nem com o Gonzalo”. O Gonzalo foi um furacão de categoria 4 que em 2014 também passou diretamente sobre a ilha.

Há um grande número de portugueses em São Bartolomeu, território francês. O Observador tentou entrar em contacto com vários mas não obteve ainda resposta de nenhum deles. Citada pelo JN, a portuguesa Catarina Leite admitiu que corria “risco de vida”.

A força do vento foi considerada “sem precedentes”. Nas redes sociais foi partilhado um vídeo de um timelapse que mostra a evolução gradual em São Bartolomeu.

https://www.youtube.com/watch?v=jc_7GUXToyw&feature=youtu.be

É difícil para já avaliar os estragos ou apurar se há vítimas a registar.

Em baixo vamos atualizando o ponto de situação à medida que chegam novas informações.

Antigua e Barbuda

  • As autoridades de Antigua dão conta de estragos mínimos, tendo três pessoas sido socorridas pelas equipas de emergência médica sem mortes a registar.
  • Contudo, não há contacto com a ilha de Barbuda desde as 00h30 locais (05h30 em Lisboa).

São Bartolomeu

  • Confirmam-se cheias generalizadas em toda a ilha. A eletricidade está cortada em 100% da ilha, tal como em São Bartolomeu.
  • O quartel dos bombeiros está submerso em 1 metro de água. Os bombeiros socorreram-se no primeiro andar.
  • Várias casas estão destruídas e os telhados da ilha parecem ter sido quase todos arrancados pela força dos ventos.

Vários portugueses publicaram fotos e vídeos antes e após a passagem do furacão Irma. Um deles, identificado como “Boa Vida” mostrou apreensão quanto ao prognóstico do furacão.

Rebentou seja o k Deus quiser

Posted by Boa Vida on Tuesday, 5 September 2017

Também Luísa Lopes publicou fotografias de “tudo destruído”.

Está numa pausa mas já espreitemos tá tudo destruído irreconhecível coragem a todos nós para mais uma parte ???? estamos bem é o k emporta ???? 5h e42m

Posted by Luisa Lopes on Wednesday, 6 September 2017

São Martinho

  • Os edifícios do governo não resistiram aos ventos do Irma.
  • O governo da ilha está refugiado numa sala de betão.
  • O quartel dos bombeiros ficou destruído.
  • A situação é em tudo semelhante à de São Bartolomeu: telhados arrancados e eletricidade cortada.