Rádio Observador

Oi

Associação de lesados portugueses da PT/Oi avança para tribunal contra bancos

A Associação de lesados da PT/Oi vai avançar com uma ação judicial contra os bancos que venderam obrigações e não informaram os clientes. A associação representa 400 pessoas.

A Oi esteve num processo de fusão com a PT que caiu na sequência do instrumento financeiro Rioforte e da queda do BES

LUSA/LUSA

A Associação de Lesados da PT/Oi (ALOPE) vai avançar em tribunal, nos próximos meses, contra os bancos que, em Portugal, venderam obrigações e “falharam redondamente na prestação de informação”, nomeadamente quanto ao programa que permite receber dívida.

Em declarações esta sexta-feira à agência Lusa, o presidente da ALOPE, Francisco Mateus, disse que aquela entidade “vai interpor ações judiciais sobre todos os intermediários [bancos e empresas a si associadas] que venderam obrigações e produtos financeiros complexos” da Oi e que “falharam redondamente na prestação da informação”.

“Não é só ficarem lá com o dinheiro das pessoas e depois não informarem”, vincou.

Os lesados da PT/Oi tinham até quinta-feira para aderir ao Programa para Acordo com Credores da empresa, que lhes permite recuperar parte da dívida, num montante até 50 mil reais (13.372 euros).

Prevê-se que, ao abrigo deste programa, os credores recebam de imediato 90% da dívida, que equivale a cerca de 12 mil euros.

Os restantes 10%, perto de 1.400 euros, são arrecadados após a aprovação do plano de recuperação judicial da empresa, na assembleia-geral de credores.

Para isso, tinham de fazer um registo ‘online’ e entregar documentação junto do representante em Portugal nomeado pela Oi para receber os pedidos de adesão ao programa, a sociedade de advogados Carneiro Pacheco e Associados.

Segundo Francisco Mateus, além das dificuldades verificadas por quem tentou aderir, “há pessoas completamente alheadas deste processo e os bancos não tiveram a amabilidade de informar que estava a decorrer o programa”.

Temos tido muitas queixas de pessoas mais velhas que, por não terem acesso a meios digitais, não sabiam da existência do acordo”, notou, vincando que os bancos “deviam tê-lo feito”.

Logo desde o início do processo, há cerca de cinco anos, “os vendedores informaram mal as pessoas”, que compararam obrigações, assinalou o presidente da ALOPE.

Acresce que “estes investimentos – que foram comprados para a PT, que todos conhecíamos por bons motivos – foram passados para uma empresa no Brasil [a Oi] e ninguém nos informou disto”, referiu o responsável, adiantando que tal passagem foi feita “de forma obscura”.

Questionado pela Lusa sobre prazos para o arranque das ações judiciais, Francisco Mateus apontou que devem dar entrada “a partir de novembro”, mês a partir do qual a ALOPE será considerada como uma associação de investidores por parte da Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM) e ficará isenta de algumas custas judiciais.

Ao todo, esta associação representa perto de 400 lesados, alguns dos quais “perderam muito dinheiro” neste processo.

Francisco Mateus estimou ainda a existência de outros 500 lesados, que estão a ser acompanhados por sociedades de advogados. Algumas destas firmas também já interpuseram ações em tribunal contra bancos em Portugal.

Na quinta-feira, a operadora brasileira Oi garantiu os “melhores esforços” para resolver os problemas verificados na adesão ao Programa para Acordo com Credores da empresa, mas não especificou que medidas iria adotar.

A Oi esteve num processo de fusão com a PT, o qual caiu na sequência do instrumento financeiro Rioforte e da queda do Banco Espírito Santo (BES) e entrou com um pedido de recuperação judicial em junho do ano passado, por não conseguir negociar a dívida.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)