O Parlamento Nacional timorense aprovou esta segunda-feira um voto de pesar e solidariedade para com as vítimas dos incêndios em Portugal, enaltecendo os “homens e mulheres heróicos” que se juntaram aos bombeiros no combate às chamas.

Fustigados pela tragédia, os portugueses uniram-se na luta contra a calamidade e, lado a lado, combateram os fogos com coragem e entrega total”, refere o texto aprovado por unanimidade.

“Neste momento de dor e consternação, o Parlamento Nacional exprime pesar e endereça sentidas condolências às vítimas e famílias e quer homenagear os homens e mulheres heróicos que combateram o fogo, expressando solidariedade para com o povo português”, acrescenta.

O texto recorda que esta foi a segunda vez este ano que Portugal “foi assolado por fogos florestais fatídicos”, com mais de 443 fogos a deflagrarem no norte e sul do país no dia 15 de outubro, “tornando este dia num dos mais negros e trágicos da história recente de Portugal.”

No voto de pesar o Parlamento timorense recorda os mais de 40 mortos, as várias dezenas de feridos e a “perda inestimável de um vasto patrimonial florestal” causados pelos fogos que destruíram ainda inúmeras casas e edifícios fabris e agrícolas.

As centenas de incêndios que deflagraram no dia 15, o pior dia de fogos do ano segundo as autoridades, provocaram 44 mortos e cerca de 70 feridos, mais de uma dezena dos quais graves. Os fogos obrigaram a evacuar localidades, a realojar as populações e a cortar o trânsito em dezenas de estradas, sobretudo nas regiões Norte e Centro.

Esta é a segunda situação mais grave de incêndios com mortos em Portugal, depois de Pedrógão Grande, em junho deste ano, em que um fogo alastrou a outros municípios e provocou, segundo a contabilização oficial, 64 mortos e mais de 250 feridos. Registou-se ainda a morte de uma mulher que foi atropelada quando fugia deste fogo.