Mundo

Duas mulheres e seus cães salvas após cinco meses perdidas no mar

612

Jennifer Appel, Tasha Fuiaba e os seus dois cães planeavam navegar do Havai para o Taiti, mas viagem foi de mal a pior. Tudo começou com uma perda de motor, que as condenou a cinco meses em alto mar.

NaMass Communication Specialist 3rd Class Jonathan Clay/ U.S Navy

Duas mulheres de Honolulu que planeavam viajar do Havai para o Taiti foram resgatadas após terem estado perdidas em alto mar com os seus cães durante cinco meses. Jennifer Appel e Tasha Fuiaba foram encontradas a 1.448 quilómetros a sudeste do Japão, bastante distantes da rota que estava programada para a viagem, que desde o começo correu mal.

Appel, Fuiaba e os seus cães partiram do Havai rumo à maior ilha da Polinésia Francesa a 5 de maio. No final do mês, devido a mau tempo, o motor avariou. Ambas acreditavam que poderiam chegar a Taiti usando apenas as velas. Mas o mastro também partiu. E o purificador de água também avariou.

Dois meses depois, numa altura em que já deviam ter chegado à ilha há bastante tempo, começaram a tentar comunicar com outras embarcações. Contudo, nunca havia nenhum barco perto e estavam demasiado longe de terra para o sinal ser detetado.

Seguiram-se mais de cinco meses perdidas em alto mar com os seus cães, nos quais a sua capacidade de desembaraço foi determinante para a sobrevivência. Levaram comida suficiente para um ano, maioritariamente cereais e massas, e conseguiram arranjar o purificador de água. Apesar de nunca terem sucesso, continuavam a tentar estabelecer contato com alguém todos os dias. Até que, terça-feira, dia 24 de outubro, uma embarcação taiwanesa de pesca as avistou.

Segundo a marinha norte-americana, o barco contactou o posto de guarda costeira de Guam, que trabalhou com os centros de coordenação e resgate de Taipei, Japão e Honolulu para as salvar. No dia seguinte, quarta-feira, o navio USS Ashland dirigiu-se à embarcação. O momento da chegada foi captado em vídeo e partilhado na página de YouTube da marinha norte-americana.

“Eles salvaram a nossa vida. O orgulho e sorrisos que tínhamos quando vimos [a Marinha] no horizonte foi de puro alívio”, disse Jennifer Appel após o resgate, que entretanto já falou com vários meios de comunicação social havaianos.

Ao Honolulu Star-Advertiser, Appel revelou ter enviado sinais de SOS durante 98 dias seguidos, sem resposta, o que disse ter sido “muito deprimente e muito desesperante”, mas necessário, pois “é a única coisa que se pode fazer”. Para Appel, escreve o Hawaii News Now, a experiência mudou-lhe a vida pois “há uma verdadeira humildade em questionar se o dia de hoje é o teu último”.

A Associated Press falou com a mãe de Jennifer, Joyce Appel, que disse nunca ter perdido esperança de que a sua filha seria encontrada. Esta quinta-feira, Joyce recebeu uma chamada que atendeu pensando que era alguém a tentar vender-lhe alguma coisa. Ouvir a voz da sua filha foi, contou à AP, “muito excitante”. “Ela disse ‘Mãe?’ e eu disse ‘Jennifer?!’, porque eu não ouvia dela há cinco meses”, revelou a mãe de Jennifer.

Joyce tinha ligado à marinha uma semana depois de ambas as mulheres terem deixado Honolulu, que, diz, “fizeram um esforço de busca e resgate”, mas sem sucesso. No entanto, a mãe de Jennifer disse saber que a filha é muito “desembaraçada” e “curiosa”, pelo que nunca deixou de acreditar. À chegada ao navio, Jennifer Appel, Tasha Fuiaba e ambos os cães receberam apoio médico, cama e comida. Segundo a marinha, vão permanecer no USS Ashland até que o navio faça uma paragem num porto.

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Sri Lanka

Ataque terrorista à geografia humana de Portugal

Vitório Rosário Cardoso

É quase indissociável desde o século XVI na Ásia marítima a questão de se ser católico e de se ser Português porque afirmando-se católico no Oriente era o mesmo que dizer ser-se Português. 

Sindicatos

Vivam as greves livres

Nuno Cerejeira Namora

Estes movimentos têm de ser encarados como o sintoma de um mal maior: a falência do sindicalismo tradicional e a sua incapacidade de dar resposta às legítimas aspirações dos seus filiados.

Sri Lanka

Ataque terrorista à geografia humana de Portugal

Vitório Rosário Cardoso

É quase indissociável desde o século XVI na Ásia marítima a questão de se ser católico e de se ser Português porque afirmando-se católico no Oriente era o mesmo que dizer ser-se Português. 

Museus

Preservação do Património Cultural

Bernardo Cabral Meneses

As catástrofes ocorridas no Rio de Janeiro e em Paris deverão servir de exemplo para ser reforçada a segurança contra incêndios nos edifícios e em particular nos museus portugueses.

Liberdades

Graus de liberdade /premium

Teresa Espassandim

Ninguém poderá afirmar que é inteiramente livre, que pouco ou nada o condiciona, como se a liberdade significasse tão só e apenas a ausência de submissão e de servidão.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)