Guia Michelin

Da “chuva de estrelas” ao chuvisco: Portugal tem dois novos restaurantes no Guia Michelin

605

Depois da torrente de novidades em 2016, o "Guia Vermelho" atribui apenas duas novas estrelas: uma no Vista, do chef João Oliveira, e outra ao Gusto by Heinz Beck, de Beck e Daniele Pirillo.

Duas novas estrelas: uma para o Vista (Portimão), do chef João Oliveira e outra para o Gusto by Heinz Beck (Almancil), liderado por Heinz Beck e Daniele Pirillo. São estas as novidades portuguesas que acabam de ser divulgadas em Tenerife, na cerimónia do Guia Michelin Portugal e Espanha 2018.

Numa cheíssima (e muito quente) sala de conferências do hotel Ritz Carlton Abama reuniram-se os maiores chefs da Península Ibérica. Foi perante todos eles que Michael Ellis, diretor internacional dos guias Michelin, anunciou, um a um, todos os cozinheiros galardoados, depois dos habituais e extensos agradecimentos aos parceiros e aos “colegas portugueses”.

Feitas as contas, com estas novas entradas Portugal passa a ter um total de 28 estrelas, distribuídas por 23 restaurantes, números ainda bastantes modestos face aos 282 astros em 227 restaurantes espanhóis (que ganharam dois novos 3 estrelas, o Aponiente, do chef Ángel León, em Cádiz e o ABaC, do chef Jordi Cruz, em Barcelona). Não houve nenhum restaurante lusitano a perder os famosos “macarons”.

Depois das 9 estrelas atribuídas a Portugal no ano passado, o Guia Michelin abrandou o ritmo e deixou de parte (pelo menos por agora), espaços como o Feitoria ou o São Gabriel (há muito apontados para a segunda estrela). Também ainda não é em 2017 que o país ganha o seu primeiro três estrelas.

Na listagem que se segue pode confirmar quais são os restaurantes portugueses premidos ( o “*” assinala as novas entradas)

1 estrela

  • Alma (Lisboa, chef Henrique Sá Pessoa)
  • Antiqvvm (Porto, chef Vítor Matos)
  • Bon Bon (Carvoeiro, chef Rui Silvestre)
  • Casa de Chá da Boa Nova (Leça da Palmeira, chef Rui Paula)
  • Eleven (Lisboa, chef Joachim Koerper)
  • Feitoria (Lisboa, chef João Rodrigues)
  • Fortaleza do Guincho (Cascais, chef Miguel Rocha Vieira)
  • Gusto by Heinz Beck (Almancil, Chef Heinz Beck e Daniele Pirillo) *
  • Henrique Leis (Almancil, chef Henrique Leis)
  • LAB by Sergi Arola (Sintra, chefs Sergi Arola e Milton Anes)
  • L’AND (Montemor-o-Novo, chef Miguel Laffan)
  • Largo do Paço (Amarante, chef Tiago Bonito)
  • Loco (Lisboa, chef Alexandre Silva)
  • Pedro Lemos (Porto, chef Pedro Lemos)
  • São Gabriel (Almancil, chef Leonel Pereira)
  • Vista (Portimão, chef João Oliveira) *
  • William (Funchal, chefs Luís Pestana e Joachim Koerper)
  • Willie’s (Vilamoura, chef Willie Wurger)

2 estrelas

  • Belcanto (Lisboa, chef José Avillez)
  • Il Gallo d’Oro (Funchal, chef Benoît Sinthon)
  • Ocean (Alporchinhos, chef Hans Neuner)
  • The Yeatman (Vila Nova de Gaia, chef Ricardo Costa)
  • Vila Joya (Albufeira, chef Dieter Koschina)

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: dlopes@observador.pt
PAN

A culpa como arma final /premium

André Abrantes Amaral

Antes o pecador ia para o Inferno; agora destrói a Terra. A Igreja falava em nome de Deus; o PAN fala em nome do planeta. Onde foi buscar tal ideia é o que a democracia tem tido dificuldade em perguntar

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)