Já são conhecidos os números de veículos vendidos pelos dois grandes grupos de fabricantes franceses de automóveis. Calculava-se que a guerra ia ser disputada ao milímetro, tanto mais que agora, com a Opel nas suas fileiras, a PSA tinha sérias hipóteses de bater a sua rival. Mas, afinal, foi mais do mesmo e venceu a Renault, ao transaccionar 3.761.634 veículos, incluindo as vendas relativas à Lada, Samsung Motors e, claro está, Renault. Este volume, um recorde para o grupo dirigido por Carlos Ghosn, marca um crescimento de 8,5% em relação a 2016.

Do lado da PSA, foram comercializadas 3.632.300 unidades, incluindo Peugeot, Citroën, DS e Opel, o que representa um incremento de 15,4% no volume de vendas, valor que cai para 2,6% se retirarmos o fabricante alemão, que em 2016 ainda era pertença da GM. Entre as marcas da PSA, a Peugeot incrementou a entrega de veículos novos em 10,4% (atingindo 2,12 milhões), enquanto a Citroën caiu 7,5% e a DS 38,5%.

Por mercados, ambos os grupos têm a maior representação na Europa, com a PSA a colocar 2.378.600 veículos, contra 1.911.169 da Renault, verificando-se desde logo o efeito Opel nas contas da PSA, marca que controla desde Agosto de 2017.