Pelo menos 36 pessoas, incluindo dez crianças, foram mortas e 135 feridas por bombardeamentos em distintas zonas de Ghouta oriental, o principal bastião da oposição nos arredores de Damasco, segundo o Observatório Sírio de Direitos Humanos (OSDH).

O maior número de baixas ocorreu na povoação de Yisrin, onde pelos menos 17 pessoas morreram na sequência de bombardeamentos aéreos não identificados.

Os ataques aéreos e de artilharia das forças governamentais intensificaram-se desde segunda-feira em Ghouta, provocando dezenas de baixas.

A ONU apelou há dias ao cumprimento de uma pausa humanitária de pelo menos um mês no conflito na Síria para fornecer assistência a centenas de milhares de pessoas bloqueadas em áreas de difícil acesso, e para retirar os feridos e doentes.

Segundo o organismo internacional, em Ghouta oriental residem cerca de 400.000 pessoas que permanecem bloqueadas há perto de três anos.

A região em poder de fações islamitas, incluindo o Exército do Islão e da Legião da Misericórdia, e está cercada por forças governamentais.