Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

Um novo relatório da UNICEF revela que todos os anos morrem 2,6 milhões de bebés com menos de um mês de idade, dos quais 1 milhão morrem no dia de nascimento, e outros 2.6 milhões são nados-mortos. De acordo com o Fundo das Nações Unidas para a Infância, 80% dessas mortes devem-se a nascimentos prematuros, complicações durante o parto ou infecções como a pneumonia e septicemia.

Em “Todas as vidas contam — A urgente necessidade de pôr fim à morte de recém-nascidos”, a UNICEF indica que a sobrevivência de recém-nascidos está em grande medida relacionada com o nível de rendimento. Em países onde o rendimento é elevado, a taxa de mortalidade média de recém-nascidos (isto é, o número de mortes por cada mil partos) é de apenas três. Nos países onde o rendimento é mais baixo, o número sobe para uma média de 27 por cada mil. A probabilidade de os bebés que nascem nos países mais inseguros morrerem é 50 vezes maior, comparativamente com os bebés nascidos nos locais mais seguros.

Apesar do número de mortes em bebés entre um mês e cinco anos ter reduzido consideravelmente, o número de bebés que morre com menos de um mês ainda se mantém elevado — todos os dias morrem 7 mil recém-nascidos. De acordo com a organização, a razão para estes número prende-se com o facto de a questão não poder ser resolvida apenas com medicamentos ou com intervenções individuais, requerendo antes uma abordagem a nível sistémico.

Os bebés com melhores probabilidades de sobrevivência são aqueles que nascem no Japão, na Islândia e em Singapura, onde as taxas são de 1 em 1.111, 1 em 1.000 e 1 em 909, respectivamente. Por oposição, o Paquistão, com uma morte em cada 22 partos, a República Centro-Africana, com 1 em 24, e Afeganistão, com 1 em 25, são os países com piores probabilidades de sobrevivência. Portugal, por sua vez, tem uma taxa de mortalidade de recém-nascidos de 2,1.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

Oito dos dez países mais perigosos para se nascer são da África Subsariana, sendo um deles a Guiné-Bissau, que se encontra em sexto da lista com uma taxa de uma morte a cada 26 partos. Isto deve-se ao facto de a pobreza, os conflitos e a falta de infraestruturas impossibilitarem que muitas grávidas sejam assistidas durante o parto.

Segundo a UNICEF, milhões de crianças poderiam ser salvas se mães e bebés tivessem assistência médica de qualidade e a um preço acessível, boa nutrição e água limpa, cuidados básicos que dizem estar “fora do alcance” de quem mais precisa.

O nível de acesso a serviços de saúde para mães e recém-nascidos “correlaciona-se fortemente” com a taxas de mortalidade dos países. Por exemplo: a Somália, país em que morre um bebé recém-nascido a cada 26 partos, o número de médicos, enfermeiros ou parteiros para cada 10 mil pessoas é de apenas um. Na Noruega, em que morre apenas um bebé a cada 667 partos, o número é de 218 médicos, enfermeiros ou parteiros para cada 10 mil pessoas.

No relatório, a UNICEF diz que, se todos os países conseguissem baixar a taxa de mortalidade para o nível dos países com rendimento elevado, 16 milhões de vidas poderiam ser salvas até 2030.