480kWh poupados com o Logótipo da MEO Energia Logótipo da MEO Energia
i

A opção Dark Mode permite-lhe poupar até 30% de bateria.

Reduza a sua pegada ecológica.
Saiba mais

Logótipo da MEO Energia

Adere à Fibra do MEO com a máxima velocidade desde 29.99/mês aqui.

"Se tivesse sido eu..." O. J. Simpson simula assassinato da mulher

Este artigo tem mais de 4 anos

O canal de televisão Fox vai emitir uma entrevista, realizada há 12 anos e nunca emitida, ao antigo jogador de futebol americano. O. J. Simpson imagina como seria se tivesse matado a ex-mulher.

i

VINCE BUCCI/AFP/Getty Images

VINCE BUCCI/AFP/Getty Images

Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

O exercício era complexo. Numa entrevista conduzida há 12 anos por Judith Regan — autora de livros, produtora e apresentadora de programas de rádio e televisão –, O. J. Simpson era desafiado a teorizar sobre o homício da ex-mulher e de um amigo. O jogador de futebol fala na terceira pessoa mas, a certo momento, passa o discurso para a primeira pessoa e sugere que teria um cúmplice no crime. A entrevista vai ser emitida a 11 de março.

“Esqueçam tudo o que acreditam saber sobre aquela noite”, diz o ex-desportista, de olhos postos na câmara: “Sou o único que sabe o que se passou”, assegura, de forma enigmática, ao mesmo tempo que garante: “Esta é uma história que o mundo inteiro entendeu mal.”

Essa conversa entre Reagan e Simpson deu origem ao livro “Se tivesse sido eu: confissões de um assassino” e deveria ter sido emitida há mais de dez anos. Mas o coro de críticas públicas ao facto de o ex-desportista ter recebido 3,5 milhões de dólares para aceitar participar no trabalho da polémica autora impediram a sua emissão. Resultado, a entrevista acabou guardada mais uma década. Até agora.

O site de notícias sociais norte-americano TMZ, que falou com fontes diretamente ligadas à entrevista, escreve que O. J. Simpson começa a sua hipotética descrição daquela noite — uma espécie de ‘se fosse eu’ — com um relato na terceira pessoa. Mas, a dado momento, o ponto de vista do narrador muda, e as palavras de Simpson começam a sair na primeira pessoa, como se estivesse a reviver, passo a passo, os acontecimentos daquela noite de 12 de junho de 1994.

Na versão que O. J.Simpson apresenta a Judith Reagan, o assassino não atua sozinho. “Se o fiz, tive a companhia de um cúmplice a noite toda”, diz na entrevista. Leva consigo um cúmplice até à casa da ex-mulher para, nas palavras do próprio, “pregar um susto do caraças” a Nicole Brown.

Ao volante do seu Bronco, com o cúmplice ao lado, o ex-futebolista teria levado uma faca e colocado um chapéu e um par de luvas para não ser identificado e não deixar marcas que encaminhassem as autoridades na sua direção.

Quando chega perto da casa de Nicole, continua o ex-desportista no seu exercício, Simpson teria espreitado pela janela e teria visto que a ex-mulher acendeu algumas velas. Estaria à espera de companhia — um homem. A reconstituição hipotética vai ao pormenor de o ex-desportista imaginar que Ron, empregado do restaurante onde a Nicole tinha jantado nessa noite, trazia na sua mão um par de óculos escuros de que a mãe da ex-mulher se esquecera. Simpson começaria a gritar, enraivecido. Nicole sairia de casa e o ex-desportista perderia os sentidos. Quando voltasse a si, estaria coberto de sangue.

É este o relato que Simpson faz perante a câmara e que dará, 12 anos depois da sua gravação, lugar a uma emissão especial de duas horas da estação televisiva Fox, a 11 de março.

Nicole Brown e o Ron Goldman foram esfaqueados múltiplas vezes até à morte, em junho de 1994. O. J. foi acusado de duplo homicídio e sentou-se no banco dos réus durante nove meses mas acabou por ser considerado inocente no ano seguinte.

OJ Simpson saiu da prisão em liberdade condicional

Voltaria a ser julgado em 2008, mas dessa vez por protagonizar um assalto à mão armada e por ter sequestrado no ano anterior dois colecionadores de peças de desporto, num casino de Las Vegas. Saiu em liberdade condicional em outubro do ano passado.

A página está a demorar muito tempo.

Ofereça este artigo a um amigo

Enquanto assinante, tem para partilhar este mês.

A enviar artigo...

Artigo oferecido com sucesso

Ainda tem para partilhar este mês.

O seu amigo vai receber, nos próximos minutos, um e-mail com uma ligação para ler este artigo gratuitamente.

Ofereça artigos por mês ao ser assinante do Observador

Partilhe os seus artigos preferidos com os seus amigos.
Quem recebe só precisa de iniciar a sessão na conta Observador e poderá ler o artigo, mesmo que não seja assinante.

Este artigo foi-lhe oferecido pelo nosso assinante . Assine o Observador hoje, e tenha acesso ilimitado a todo o nosso conteúdo. Veja aqui as suas opções.

Atingiu o limite de artigos que pode oferecer

Já ofereceu artigos este mês.
A partir de 1 de poderá oferecer mais artigos aos seus amigos.

Aconteceu um erro

Por favor tente mais tarde.

Atenção

Este artigo só pode ser lido por um utilizador registado com o mesmo endereço de email que recebeu esta oferta.
Para conseguir ler o artigo inicie sessão com o endereço de email correto.