Literatura

Publicado primeiro volume da autobiografia de Elias Canetti, inédita em Portugal

Primeiro volume -- "A língua resgatada -- História de uma juventude" -- já está nas livrarias. O segundo volume sai em junho e o terceiro ainda não tem data definida.

MIGUEL A. LOPES/LUSA

A autobiografia completa do escritor búlgaro-inglês Elias Canetti vai ser publicada pela primeira vez em Portugal, ao longo deste ano, estando já nas livrarias o primeiro dos três volumes que constituem a edição integral. As memórias autobiográficas de Elias Canetti confundem-se “com a atribulada história do século XX”, descreve a editora Cavalo de Ferro, que, com mais esta edição, dá sequência à publicação em Portugal das obras do romancista e ensaísta Elias Canetti (1905-1994), vencedor do Prémio Nobel da Literatura de 1981.

São três os volumes a lançar em 2018, o primeiro dos quais, “A língua resgatada — História de uma juventude”, que tinha sido editado pela Campo de Letras em 2008, trata o período de vida do autor entre os anos 1905 e 1921. Traduzido por Maria Hermínia Brandão, o primeiro volume desta “extraordinária e singular odisseia cultural” — como lhe chamou a Haper’s Magazine — divide-se em cinco partes: “Ruse” (cidade búlgara), entre 1905 e 1911, “Manchester”, de 1911 a 1913, “Viena”, para 1913 a 1916, “Zurique — Rua Scheuchzer”, de 1916 a 1919, e “Zurique — Tiefenbrunnen”, de 1919 a 1921.

Este primeiro volume oferece um retrato do contexto pessoal e do desenvolvimento criativo de Canetti, durante os anos cruciais da sua juventude, segundo a editora. “A minha lembrança mais antiga está pincelada de vermelho” — assim começa o autor, que se recorda de sair por uma porta, ao colo de uma rapariga, e ver um chão vermelho e uma escada também vermelha.

O autor conta como, com dois anos, viu um homem aproximar-se, mandá-lo pôr a língua de fora, ameaçar cortá-la e no fim recolher a lâmina deixando a promessa de o fazer no dia seguinte. “Todas as manhãs saímos pela porta para o corredor vermelho, a porta abre-se e aparece o homem sorridente. Já sei o que vai dizer e fico à espera da ordem para mostrar a língua. Sei que ma vai cortar e tenho cada vez mais medo. Começa assim o dia, e isto acontece muitas vezes”.

O homem era afinal o namorado da sua ama — uma rapariga de 15 anos — que, desta forma, assegurava o silêncio do rapaz, o que conseguiu durante um período de dez anos, quando finalmente o autor interrogou a mãe sobre o assunto. A partir daí, as suas memórias prosseguem até aos 16 anos, desde a cidade búlgara da infância, cruzamento de povos e culturas, onde Canetti tomou contacto com mais de seis línguas diferentes, à cosmopolita Manchester, ou da imperial cidade de Viena, à pacata Zurique.

Estes são os cenários que moldarão o crescimento do autor, sempre sob os efeitos da conturbada relação com a mãe, narrados de uma forma íntima, mas também intensa e veloz. Um livro que, nas palavras do escritor americano Paul Theroux, “evoca paixão e poder” e “está repleto de cidades e cenários e pessoas extravagantes — lobos, amantes, lendas, guerra e disputas”.

O segundo e terceiro volumes, inéditos em Portugal, saem, respetivamente, em junho e no segundo semestre, em data ainda a determinar, com os títulos “O archote na orelha — História de uma vida 1921-1931” e “O jogo de olhares — História de vida 1931-1937”. A autobiografia de Elias Canetti, que a Academia Sueca considerou “o ponto cimeiro da sua obra”, é apenas uma das facetas de um escritor eclético, cuja obra abrange os mais variados géneros e estilos literários, do romance e ensaio aos cadernos de apontamentos, dos epigramas ao teatro.

Autor de “um dos mundos literários mais envolventes do século” — como descreveu o escritor Salman Rushdie -, da sua obra “desponta uma das mais originais e perspicazes reflexões sobre a condição humana em sociedade, combinando erudição com fulgor narrativo”, destaca a editora. A ensaísta Susan Sontag também se referiu ao estilo de Canetti, afirmando tratar-se de um autor que “dissolve a política em patologia, tratando a sociedade como uma atividade mental — do tipo bárbaro, claro — que deve ser descodificada”.

Proveniente de uma família de judeus sefarditas, a juventude de Canetti foi passada entre a Áustria, a Suíça e a Alemanha, integrando-se nos círculos literários e intelectuais de Viena e Berlim do final dos anos 20, e travando conhecimento com figuras importantes do seu tempo, como Kraus, Grosz, Babel ou Brecht. Em 1938, após a ocupação da Áustria pelas tropas nazis de Hitler, Elias Canetti emigrou para Londres e, em 1952, obteve a nacionalidade britânica.

“Auto-de-fé”, o seu primeiro romance, datado de 1935, catapultou o nome de Elias Canetti para a categoria dos principais autores europeus e para a história da literatura.

Agora que entramos em 2019...

...é bom ter presente o importante que este ano pode ser. E quando vivemos tempos novos e confusos sentimos mais a importância de uma informação que marca a diferença – uma diferença que o Observador tem vindo a fazer há quase cinco anos. Maio de 2014 foi ainda ontem, mas já parece imenso tempo, como todos os dias nos fazem sentir todos os que já são parte da nossa imensa comunidade de leitores. Não fazemos jornalismo para sermos apenas mais um órgão de informação. Não valeria a pena. Fazemos para informar com sentido crítico, relatar mas também explicar, ser útil mas também ser incómodo, ser os primeiros a noticiar mas sobretudo ser os mais exigentes a escrutinar todos os poderes, sem excepção e sem medo. Este jornalismo só é sustentável se contarmos com o apoio dos nossos leitores, pois tem um preço, que é também o preço da liberdade – a sua liberdade de se informar de forma plural e de poder pensar pela sua cabeça.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Conflitos

Mediterrâneo

Luis Teixeira

Huntington defendeu, como Braudel, que a realidade de longa duração das civilizações se sobrepõe a outras realidades, incluindo os Estados-nação em que se supôs que a nova ordem mundial iria assentar.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)