Um museu de arte em Elne, no sul de França, descobriu que mais de metade das suas obras são falsificações. O Museu Etienne Terrus, dedicado às obras do artista local que dá nome ao espaço, reabriu na passada sexta-feira depois de ter passado por trabalhos de remodelação. O alerta foi dado por um historiador de arte chamado para reorganizar o museu depois da aquisição de 80 pinturas.

Eric Forcada descobriu que cerca de 60% de toda a coleção do museu eram falsificações: das 140 obras do museu, 82 eram falsas. “Numa das pinturas a assinatura desapareceu quando passei a minha luva branca sobre ela”, disse o historiador. Forcada alertou os responsáveis pela cultura da região e pediu uma reunião com mais especialistas que possam ajudar a confirmar a descoberta.

O presidente da câmara de Elne, Yves Barniol, disse que o caso é “uma catástrofe” para a região e que as autoridades “não vão desistir” de encontrar os culpados. “Etienne Terrus é o maior pintor de Elne. Ele fazia parte da comunidade e era o nosso pintor. Saber que que as pessoas visitaram o museu e viram uma coleção que, na sua maioria, é falsa, é mau”.