Óbito

Sergio Marchionne, antigo presidente executivo da FIAT morre aos 66 anos

169

O homem que salvou as finanças da Fiat e que liderou o rumo de fabricantes automóveis como a Ferrari, a Jeep e a Chrysler, morreu por complicações médicas depois de ser operado a um tumor no ombro.

Marchionne retirou-se de todos os cargos que desempenhava nas empresas da Fiat no início do mês de julho

Getty Images

Sergio Marchionne, o homem que esteve a liderar o rumo do grupo FCA (Fiat Chrysler Automobiles), que aglomera fabricantes de automóveis como a Fiat, a Lancia, a Jeep, a Maserati e a Alfa Romeo, e a integrou a Ferrari até 2015, morreu aos 66 anos depois de complicações de uma cirurgia ao ombro para retirar um tumor, avança a Bloomberg.

O executivo ficou responsável pela Fiat em junho de 2004, numa altura em que o grupo estava à beira da falência. Na sua carreira esteve também responsável por marcas como a Ferrari, onde também foi presidente executivo e do conselho de administração.

O antigo executivo nasceu em Chieti, na região de Abruzzo, na Itália. Aos treze anos emigrou com a família para o Canadá. Antes de chegar à liderança da FCA, foi contabilista na Deloitte de onde passou para o cargo de diretor de desenvolvimento de grupo Lawson Mardon, nos anos de 1980. Trabalhou como executivo em várias empresas até que, em 1997, chegou a presidente executivo da Algroup (Alusuisse) que fabrica componentes para carros.

Depois e passar pela liderança de outras empresas, em maio de 2003 foi eleito como membro independente da Fiat S.p. A., onde chegou, numa altura crítica para a empresa, a presidente executivo, em 2004.

Da Fiat em falência à compra da Chrysler

Quando Sergio Marchionne chegou à Fiat a empresa tinha perdas de mais de seis mil milhões de euros. Depois de uma parceria com a General Motors virou o rumo do empresa e tirou-a da beira da falência em 2005. Neste ano a americana pagou à Fiat mais de mil milhões e meio de euros para vender diretamente nos Estados Unidos da América.

Em 2009, Fiat comprou a Chrysler, que depois da crise financeira estava à beira da ruptura, e Marchionne é escolhido para ficar também à frente da fabricante americana de automóveis (e de marcas como a Jeep, a Dodge e a Ram).

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: mmachado@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)