Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

O I-Pace é um dos melhores veículos eléctricos do mercado. E é também o primeiro deste tipo fabricado pela Jaguar, marca britânica que conseguiu apresentar a sua proposta antes dos alemães. Mas se o carro é bom, já a sua fabricação tem encalhado em algumas dificuldades, que fazem lembrar a Tesla e os seus problemas com o Model 3.

Ao que parece, vários clientes foram informados que as suas encomendas iriam ser atrasadas vários meses, com os concessionários a avançarem como justificação “problemas de produção”. A Jaguar fala em “priorização das encomendas”. Mas, em termos práticos, vai dar ao mesmo.

A marca britânica já iniciou a entrega das primeiras unidades do I-Pace à Waymo, para alimentar a frota de veículos autónomos eléctricos que esta divisão da Google está a preparar, como complemento aos monovolumes Chrysler Pacifica híbridos plug-in. Porém, para os clientes “normais”, só vão existir de momento as versões mais equipadas, as First Edition, quando as entregas se iniciarem depois do Verão.

Na prática, a Jaguar está a repetir a estratégia da Tesla, torneando as dificuldades em incrementar a produção concentrando-se nas versões mais caras, encomendadas em menor número e que deixam maiores margens de lucro. Só mais tarde começará a fabricar os I-Pace normais, que chegam a ser 16 mil euros mais baratos, estando equipados exactamente com a mesma mecânica, sendo o adicional justificado apenas pelo equipamento extra.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR