BCE

BCE preocupado com preços das casas na China

Num artigo publicado juntamente com o seu boletim económico, a instituição avalia o impacto de uma crise no setor imobiliário chinês e lembra que menos crescimento na China tem impacto na zona euro.

AFP/Getty Images

O Banco Central Europeu vê sinais de sobrevalorização no mercado imobiliário chinês e está preocupado que uma crise neste setor na segunda maior economia do mundo possa levar a uma queda no crescimento económico com impacto no crescimento mundial, e na zona euro, de acordo com o Boletim Económico publicado esta quinta-feira pela instituição. Em Frankfurt, o crescimento dos preços nas principais cidades chinesas na última década já é comparado com o que aconteceu nos Estados Unidos antes da crise de 2008.

Numa caixa incluída no boletim publicado esta quinta-feira, a instituição deixa o alerta para os perigos de uma crise no mercado imobiliário na China para a economia chinesa, o que poderia ter impactos um pouco por todo o mundo. De acordo com as estimativas do BCE, caso os preços das casas caíssem em média 6% e as vendas 32% no espaço de um ano, o PIB chinês diminuiria 2% (em comparação com a atual previsão) durante cinco trimestres.

Este abrandamento teria consequências na economia da zona euro que as autoridades não devem ignorar. “Uma crise [na economia chinesa] teria consequências significativas sobre a atividade global. Os desequilíbrios na China já foram identificados como um fator de risco chave para a zona euro e a economia mundial”, diz o BCE.

O que está em causa

Segundo o BCE, há vários sinais de que o setor imobiliário na China pode estar a caminho de um período de correção. A questão é a dimensão dessa correção. Nesta análise, assinada por Thomas Nielsen, o autor lembra que o mercado chinês assistiu a um crescimento sem precedentes nos últimos dois anos, com os preços a subirem 10% em 2016 e novamente 10% em 2017. Estes valores são apenas médias, já que nas principais cidades os preços cresceram a níveis bastante superiores, na ordem dos 30%.

É com esta parte do mercado, onde se encontram as casas mais caras, que a instituição parece mais preocupada. Apesar de no país como um todo, os preços terem vindo a crescer mais ou menos em linha com o crescimento dos rendimentos, nas cidades de Pequim, Xangai, Guangzhou e Shenzen há “sinais de valorização desproporcionalmente elevados”.

Na última década, o preço dos imóveis nestas cidades cresceu muito acima do rendimento e esta diferença “parece comparável” com o que terá acontecido no Japão no início da década de 90 e com os Estados Unidos e a Europa antes da crise financeira de 2008. Esta é uma afirmação forte, por encontrar semelhanças entre a bolha especulativa que rebentou no Japão no final da década de 80 e se estendeu para a década de 90, e com um dos principais fatores que levaram à crise financeira dos Estados Unidos, a bolha especulativa no imobiliário. Esta divergência, diz o autor, “provou ser insustentável”.

A questão, segundo o BCE, é que nos últimos seis meses este ritmo tem vindo a abrandar. O preço médio das casas vendidas durante os primeiros seis meses do ano já está a crescer apenas 5%, e o número de casas vendidas também está a crescer mais lentamente.

A esta desaceleração do mercado juntam-se mais alguns fatores que podem agravar a situação do mercado, como o facto de este aumento dos preços das casas estar associado a um aumento significativo no crédito imobiliário, inclusivamente do estrangeiro, o que levou a que a dívida das famílias chinesas tenha vindo a aumentar (já atinge os 48% do PIB) e os construtores tenham necessidade de refinanciar elevadas quantias em dívida.

Mas com o governo chinês a implementar medidas para tentar controlar o crescimento súbito da dívida chinesa em todos os níveis, os mais endividados vão ter dificuldades em refinanciar os seus empréstimos e podem encontrar dificuldades, sejam eles famílias ou promotores. Também os governos locais podem sentir dificuldades, já que uma parte importante das receitas dos seus orçamentos resultam de impostos sobre a venda de terrenos para construção.

Mas nem tudo aponta para que haja uma bolha, ou para que, na eventualidade de esta existir, ela possa estar prestes a rebentar. Os preços não estão a crescer tanto, mas continuam a crescer, e o número de casas por vender é relativamente baixo, o que significa que não há tanta pressão para ceder no preço e vender mais barato. A estes dois pontos, o autor lembra também que, no caso das principais cidades, os preços podem estar a crescer mais devido à procura de pessoas com mais rendimentos que querem comprar casas nessas cidades, mas que não são necessariamente moradores.

    Se tiver uma história que queira partilhar ou informações que considere importantes sobre abusos sexuais na Igreja em Portugal, pode contactar o Observador de várias formas — com a certeza de que garantiremos o seu anonimato, se assim o pretender:

  1. Pode preencher este formulário;
  2. Pode enviar-nos um email para abusos@observador.pt ou, pessoalmente, para Sónia Simões (ssimoes@observador.pt) ou para João Francisco Gomes (jfgomes@observador.pt);
  3. Pode contactar-nos através do WhatsApp para o número 913 513 883;
  4. Ou pode ligar-nos pelo mesmo número: 913 513 883.

Agora que entramos em 2019...

...é bom ter presente o importante que este ano pode ser. E quando vivemos tempos novos e confusos sentimos mais a importância de uma informação que marca a diferença – uma diferença que o Observador tem vindo a fazer há quase cinco anos. Maio de 2014 foi ainda ontem, mas já parece imenso tempo, como todos os dias nos fazem sentir todos os que já são parte da nossa imensa comunidade de leitores. Não fazemos jornalismo para sermos apenas mais um órgão de informação. Não valeria a pena. Fazemos para informar com sentido crítico, relatar mas também explicar, ser útil mas também ser incómodo, ser os primeiros a noticiar mas sobretudo ser os mais exigentes a escrutinar todos os poderes, sem excepção e sem medo. Este jornalismo só é sustentável se contarmos com o apoio dos nossos leitores, pois tem um preço, que é também o preço da liberdade – a sua liberdade de se informar de forma plural e de poder pensar pela sua cabeça.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
BCE

Arrivederci, Mario!

Jorge Silveira Botelho

Os que creem que as taxas de juro na Europa não sobem não se iludam. Quem de perfeito juízo acredita que Draghi deixará em mãos alheias o anúncio do fim do ciclo monetário que tão arrojadamente abriu?

Partidos e Movimentos

Seja bem-vinda, "Iniciativa Liberal"

Mário Pinto

Saudamos o Manifesto da Iniciativa Liberal, mesmo não partilhando muitas das suas propostas. Saudamos em especial a defesa do princípio da subsidiariedade, base para a "democratização da democracia".

Poupança

O capital liberta

André Abrantes Amaral

É do ataque constante ao capital que advêm as empresas descapitalizadas, as famílias endividadas e um Estado sujeito a três resgates internacionais.

Venezuela

Um objeto imóvel encontra uma força imparável

António Pinto de Mesquita

Num dos restaurantes mais trendy de Madrid ouve-se o ranger de um Ferrari que para à porta. Dele sai um rapaz novo, vestido com a última moda. Pergunta-se quem é. “É filho de um general venezuelano”.

Enfermeiros

Elogio da Enfermagem

Luís Coelho

Muitos pensam que um enfermeiro não passa de um "pseudo-médico" frustrado. Tomara que as "frustrações" fossem assim, deste modo de dar o corpo ao manifesto para que o corpo do "outro" possa prevalecer

Poupança

O capital liberta

André Abrantes Amaral

É do ataque constante ao capital que advêm as empresas descapitalizadas, as famílias endividadas e um Estado sujeito a três resgates internacionais.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)