Rádio Observador

Bugatti

Bugatti Divo é um Chiron que abusou dos esteróides

Depois de muita espera e uma mão cheia de teasers, eis que finalmente se conhece o Bugatti Divo. Baseado no Chiron, é um monstro que recorre a todos os truques para se tornar mais eficaz e exuberante.

Só vão ser produzidas 40 unidades e, por cada uma delas, é necessário pagar 5 milhões de euros – antes de impostos –, ou seja o dobro do que a Bugatti pede por um Chiron. Mas apesar do despropositado incremento do preço, há muito mais do que 40 candidatos ao modelo francês.

Para apresentar o novo Divo, a Bugatti escolheu Pebble Beach, local que anima anualmente o mundo automóvel com o Concours d’Elegance que organiza nas proximidades de Monterey. Mas as muitas beldades sobre rodas que se deslocaram à exposição californiana, empalideceram na presença do novo modelo da Bugatti. Isto apesar de o Divo ser uma série muito – muiiiito – especial do já conhecido Chiron, com 1.500 cv.

O construtor mostrou o Divo e anunciou o preço, logo nos EUA, um dos principais mercados para a marca, mas há uma série de características que guardou para revelação futura, muito provavelmente quando voltar a apresentar o modelo na Europa, no Salão de Paris. Mas isso não nos impede de constatar que que não há uma peça da carroçaria que não tenha sido profundamente alterada. A frente mantém a grelha em forma de ferradura, que eternizou a marca criada por Ettore Bugatti, mas a quantidade de entradas de ar aumentou consideravelmente. Como se isso não bastasse, o splitter (lábio inferior sob  pára-choques) também cresceu, para dar mais apoio aerodinâmico à frente, tornando-o mais eficaz em curva. Até o capot da frente passa a exibir umas entradas e saídas de ar, com estas segundas a servirem para reduzir o turbilhão na base do pára-brisas, optimizando a aerodinâmica.

As laterais do Divo têm em cima as tradicionais entradas de ar para refrigerar o motor, mas em baixo surgem saídas de ar para extrair o ar quente dos travões e pneus – que o fabricante persegue igualmente com os novos ventiladores no topo dos guarda-lamas anteriores –, e generosas entradas de ar para arejar os travões posteriores.

Mas é talvez na traseira onde surgem mais diferenças em relação ao Chiron, com o Divo a exibir um maior extractor de ar, uma asa muito maior e ligada à carroçaria por uma barbatana vertical, surgindo na traseira do tejadilho uma entrada de ar tipo naca, para dar ar à cavalagem.

Com tudo isto, a Bugatti garante que o Divo é 35 kg mais leve, consegue atingir 1,6g em curva e beneficia de mais 90 kg de downforce graças aos maiores apêndices aerodinâmicos, para o ajudar a colar ao solo, especialmente em curva. E para se ver como a carga aerodinâmica cresceu, a Bugatti anuncia para o Divo “apenas” 380 km/h, longe pois dos 420 do Chiron normal, ou dos 460 km/h que o modelos é capaz de atingir com outros pneus. Mas este não é um kit que se aplique num Chiron apenas para o tornar mais exuberante e atraente, parecendo evidente que a Bugatti tem um objectivo específico para o Divo e que passa por explorar o seu potencial em pista, numa comparação directa com os hiperdesportivos que vêm aí, tanto o Mercedes Project One, como o Aston Martin Valkyrie.

Pesquisa de carros novos

Filtre por marca, modelo, preço, potência e muitas outras caraterísticas, para encontrar o seu carro novo perfeito.

Pesquisa de carros novosExperimentar agora

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: alavrador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)