Uma empresa israelita criou uma linha de mochilas à prova de bala e está a vendê-las nos Estados Unidos, na sequência do tiroteio que levou à morte de 17 pessoas numa escola em Parkland, na Florida, em fevereiro deste ano, de acordo com a agência de notícias AFP.

O presidente da Masada Armor, Snir Koren, disse à agência que o produto foi criado a pedido dos distribuidores norte-americanos que vendem os produtos da empresa “depois do grande trauma causado pelo tiroteio de fevereiro na Florida”.

“Desde essa altura, temos recebido encomendas dos Estados Unidos. Em dois meses, vendemos centenas e estamos a preparar-nos para aumentar os níveis de produção para 500 unidades por mês”, detalhou Snir Koren.

Tiroteio em escola na Florida provoca 17 mortes

De acordo com a AFP, há duas versões da mochila à venda. Uma, o modelo básico, pesa cerca de três quilos, é eficaz contra tiros de pistolas de 9mm e custa 500 dólares (430 euros). Já o modelo superior, que pesa cinco quilogramas e protege contra tiros de espingardas de alta velocidade como a AK-47, custa mais de 700 dólares.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

A empresa está também a desenvolver um modelo mais leve que possa facilmente ser usado por crianças mais pequenas, informou o líder da empresa. A mochila tem a aparência de uma mochila normal, mas pode transformar-se num colete à prova de bala em menos de dois segundos, puxando as fitas junto aos ombros, como se vê neste vídeo.

A 14 de fevereiro deste ano, Nikolas Cruz, de 19 anos, invadiu uma escola de Parkland, na Florida, de que tinha sido aluno, e disparou uma arma semiautomática, matando 17 pessoas. O jovem enfrenta agora um processo em que pode ser condenado à pena de morte.

Na sequência do tiroteio, um dos mais mortíferos dos últimos anos, tem crescido a pressão internacional para um maior controlo do acesso às armas de fogo nos Estados Unidos.