A Turquia vai revelar tudo sobre a morte do jornalista saudita Jamal Khashoggi, que Riade já reconheceu ter morrido no consulado da Arábia Saudita em Istambul, afirmou este sábado um porta-voz do partido Justiça e Desenvolvimento (AKP), no poder.

“A Turquia vai revelar tudo o que se passou. Ninguém deverá ter a mínima dúvida sobre este ponto”, declarou Omer Celik citado pela agência de informação estatal Anadolu.

“Estamos a realizar a nossa investigação independente. Revelaremos as nossas conclusões. Esta é a vontade do Presidente”, afirmou ainda Celik, segundo o diário Hürriyet.

Jamal Khashoggi, o jornalista que desapareceu sem deixar rasto: “O príncipe saudita quer pessoas como eu fora do seu caminho”

Estes comentários surgiram horas depois de a Arábia Saudita confirmar que Khashoggi morreu após uma luta no consulado do país em Istambul, Turquia, e que 18 suspeitos foram detidos.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

“Não culpamos ninguém antecipadamente, mas não estamos dispostos a manter nada encoberto. É um acontecimento muito grave”, afirmou.

Entretanto, Numan Kurtulmus, também do AKP, disse este sábado que a Turquia irá mostrar as provas que recolher sobre a morte de Khashoggi’s ao mundo e que o “resultado conclusivo” da investigação está perto.

Kurtulmus considerou que “não é possível à administração saudita ficar de fora deste crime, caso se confirme”.

Inicialmente, Riade tinha afirmado que o jornalista tinha saído com vida do consulado, mas este sábado admitiu que Khashoggi morreu após uma luta com pessoas que se encontraram com ele no interior do consulado.

Jamal Khashoggi morreu durante troca de murros, diz Arábia Saudita

A versão saudita contrasta com a dos media turcos e norte-americanos, baseadas em alegadas provas recolhidas por Ancara, que apontam para uma execução brutal e planeada por um comando de agentes sauditas próximos do príncipe herdeiro, Mohamed bin Salman.

As autoridades turcas não confirmaram até agora as informações da imprensa.