O Cardiff City, clube para onde se dirigia Emiliano Sala antes de desaparecer, falhou o primeiro pagamento devido ao Nantes relativo à transferência do futebolista argentino. O clube francês ainda não reclamou a falha, está mais preocupado em encontrar o atleta. O clube britânico prepara-se para processar o dono da aeronave onde seguia o jogador e que desapareceu dos radares no dia 20 de janeiro.

A transferência de Emiliano Sala do Nantes para o Cardiff terá custado 19,7 milhões de euros ao clube galês e estava consumada, noticia o Diário de Notícias. Ou seja, a transação estava registada na federação inglesa e na FIFA. O compromisso era o Cardiff fazer o pagamento em três vezes, começando já na passada segunda-feira, mas ainda não aconteceu.

Um perito em direito desportivo ouvido pelo Diário de Notícias, que não quis ser identificado, diz que, apesar da tragédia, o Nantes pode exigir o dinheiro. Por outro lado, o Cardiff pode alegar que é impossível cumprir o contrato, “porque não existe objeto do contrato”, ou, no limite, dizer que o jogador está em incumprimento porque não compareceu nos treinos. O perito acredita, no entanto, que os clubes hão de chegar a algum tipo de acordo.

O clube galês está a analisar o acidente que fez desaparecer dos radares o avião que sobrevoava o canal da Mancha visto estar em causa a possibilidade de negligência, noticia o jornal britânico The Telegraph. Os líderes do clube colocam cada vez mais questões sobre a decisão de ter voado de Nantes a Cardiff, atravessando o canal, num avião com um único motor, construído em 1984 e pilotado por Dave Ibbotson, um engenheiro de gás em part-time. O voo terá sido marcado pelo agente de Sala, Meissa N’Diaye, e Mark McKay, um intermediário no processo.

Entre o seguro, que já estaria em vigor para o jogador, e o que possa resultar de um eventual processo contra o dono da aeronave, o Cardiff poderá estar à procura de juntar dinheiro para pagar a transferência ao Nantes, minimizando o prejuízo para o clube.

Filho de empresário divulga mensagens que trocou com Sala sobre voo fatal

Entretanto, perante as dúvidas e críticas que têm surgido em torno do avião privado em que Emiliano Sala apanhou em Nantes, o agente William McKay veio publicar as mensagens trocadas entre o seu filho, Jack McKay, que é também jogador do Cardiff, e o atleta argentino.

As mensagens foram divulgadas pelo agente William McKay à BBC. Segue a trasncrição daquelas conversas:

18 de janeiro (sexta-feira)

19h43 – Jack McKay: “O meu pai disse-me que vens para cá amanhã. Ele pode arranjar um aviaõ para te lear diretamente para Nantes e para voltares na segunda-feira, quando te der jeito, para poderes vir treinar na terça-feira.”

19:43 -Emiliano Sala: “Ah, isso é excelente. Estava mesmo agora a ver se havia voos para Nantes amanhã.”

19h56 – McKay: “Ele disse-meque pode arranjar um voo direto para Nantes.”

19h56 – Sala: “Quanto é que isso vai custar?”

19:56 – McKay: “Nada. Ele disse que se me ajudares a marcar golos não custa nada.”

19h59 – Sala: “Hahaha com prazer.”

20h00 – Sala: “Vamos marcar muitos golos.”

20h01 – Sala: “Queria ir para Nantes amanhã por volta das 11h00 e voltar para Cardiff na segunda-feira por volta das 21h00, se for possível.”

20h05 – McKay: “Boa. Mando-te uma mensagem quando estiver resolvido.”

20 de janeiro (domingo)

17h00 – McKay: “Olá é possível voltares às 7 da tarde na segunda-feira? É só porque o pilo tem de ir para casa, no Norte, depois de chegar a Cardiff.”

17h01 – Sala: “Olá. Às sete e meia pode ser.”

17h03 – McKay: “Sim, tudo bem.”

17h05 – Sala: “[Mostra fotografia da sua bagagem] Podes perguntar se posso levar isto para o avião?”

17h06 – McKay: “Na boa.”

17h07 – Sala: “Mas não há problema de levar isto no avião?”

17h07 – McKay: “Sim, há espaço no avião para a tua bagagem.”

17h12 – Sala: “OK.”

21 de janeiro (segunda-feira)

16h16 – McKay: “Vou ligar-te daqui a pouco.”

16h23 – McKay: “Ele disse-me que é a mesma companhia”

16h27 – Sala: “OK, obrigado.”