Abusos na Igreja

Carlos César diz que “a igreja tem de pôr a mão na consciência” sobre os abusos de menores

2.899

"Em Portugal parece que não se passou nada". Para Carlos César, a cimeira da semana passada no Vaticano "corresponde a um historial de vergonha, escândalos e abusos".

O socialista põe em causa a "legitimidade" dos bispos para "condenar as condutas do poder político e económico", já que muitos são responsáveis por "corrupção moral" e por "abusos".

ANTONIO COTRIM/LUSA

O Presidente do Partido Socialista não se poupou a críticas numa entrevista à TSF. Tudo na altura em que o Vaticano tenta acabar com os abusos sexuais na Igreja Católica. Carlos César diz que “a igreja portuguesa se tem mantido em silêncio no que toca a abusos sexuais e pedofilia”, mas é hora de “meter a mão na consciência”. Aliás, o deputado diz mesmo que “em Portugal parece que não se passaou nada”.

Este mês, a Conferência Episcopal Portuguesa disse que os casos eram Portugal eram reduzidos, “cerca de uma dezena”, registados desde 2001. O secretário da Conferência Episcopal Portuguesa, Manuel Barbosa, afirmou que “os casos tratados nos tribunais eclesiásticos onde chegam as denúncias são pouquíssimos e, desses, mais de metade da investigação prévia parou por falta de fundamento”.

Carlos César põe em causa a “legitimidade” dos bispos para “condenar as condutas do poder político e económico”, uma vez que muitos deles são responsáveis por “corrupção moral” e por “abusos”. O líder dos socialistas acrescenta ainda que a cimeira que dura até domingo, e reúne os presidentes de todas as conferências Episcopais, é “histórica”. Esta cimeira foca-se, precisamente, na questão do abuso de menores por parte de membros da Igreja. Carlos César reconhece o lado negativo da cimeira “porque corresponde a um historial de vergonha, escândalos e abusos continuados”. Mas também reconhece o lado positivo, “por ter reunido pela primeira vez no Vaticano quase 200 líderes religiosos para discutir esse tema e acabar com o tabu” e porque “obriga a que silêncios como aquele que perdura na Igreja portuguesa sejam mais difíceis de manter”. 

Durante o último mês, o Observador tem investigado meticulosamente o escândalo dos abusos sexuais na igreja. Houve vítimas, pelo menos, no Funchal, na Golegã, em Vila Real, e no Fundão.

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
10 de junho

A função social da esquerda /premium

Rui Ramos

Talvez a direita, noutros tempos, tenha tido o papel de nos lembrar que não somos todos iguais. As reacções ao discurso de João Miguel Tavares sugerem que essa função social é hoje da esquerda.

10 de junho

A função social da esquerda /premium

Rui Ramos

Talvez a direita, noutros tempos, tenha tido o papel de nos lembrar que não somos todos iguais. As reacções ao discurso de João Miguel Tavares sugerem que essa função social é hoje da esquerda.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)