Dark Mode 153kWh poupados com o Asset 1
i

A opção Dark Mode permite-lhe poupar até 30% de bateria.

Reduza a sua pegada ecológica. Saiba mais

Logótipo da MEO Energia

Vítimas de violência doméstica já são quase metade dos homicídios de 2019

Dos 23 casos de homicídio investigados em janeiro e fevereiro deste ano, 11 aconteceram em contexto de violência doméstica. Esses 11 processos dizem respeito a 12 agressores que fizeram 14 vítimas.

i

Em relação ao ano passado, o número de total de investigações por homicídio consumado também sofreu um aumento

NUNO ANDRÉ FERREIRA/LUSA

Em relação ao ano passado, o número de total de investigações por homicídio consumado também sofreu um aumento

NUNO ANDRÉ FERREIRA/LUSA

O número de casos de homicídio em contexto de violência doméstica, investigados nos dois primeiros meses do ano pela Polícia Judiciária (PJ), representa quase metade do total de homicídios investigados no mesmo período. Dos 23 inquéritos abertos por homicídio consumado em janeiro e fevereiro, 11 tiveram como cenário casos de violência doméstica, de acordo com dados revelados pela PJ ao Observador.

Esses 11 processos dizem respeito a 12 agressores, suspeitos da morte de 14 vítimas. Entre elas há, de acordo com a PJ, dois homens e 12 mulheres. O número inclui Lara, uma menina de dois anos que foi assassinada pelo pai, no Seixal, e um homicídio que “teve lugar em França, sendo a vítima e o autor portugueses”.

Segundo uma análise feita pelo Observador aos casos de violência doméstica divulgados pela PJ (que inclui um caso que ocorreu já em março e que, por isso, não está contabilizado nos valores divulgados pela PJ), a maioria das vítimas foi baleada ou esfaqueada e pelo menos duas tinham feito queixa do agressor que as viria a matar.

Mulheres, com mais de 50 anos, mortas pelo atual ou ex-companheiro. O perfil das vítimas de violência doméstica de 2019

Já entre os agressores não há mulheres. “Todos os autores/suspeitos de homicídios no contexto de violência doméstica são do género masculino“, referiu fonte da PJ ao Observador. Os alegados homicidas têm uma média de idades de 44,16 anos. O suspeito mais novo tinha 21 anos e o mais velho tinha 84 à data do crime. Na mesma análise feita pelo Observador, concluia-se que, em metade dos casos, os agressores suicidaram-se depois de cometerem o crime.

Em relação ao ano passado, o número de total de investigações por homicídio consumado também sofreu um aumento. Nos meses de janeiro e fevereiro de 2018, a PJ instaurou 19 inquéritos por este tipo de crime. Este ano, o número vai já nos 23.

Recomendamos

A página está a demorar muito tempo.