Rádio Observador

Futebol

Quase 30 anos depois, Vítor Oliveira faz mais história: sexta subida em sete anos (agora pelo P. Ferreira)

449

Teve uma experiência nos anos 70 como treinador, assumiu a carreira com 31 anos na década de 80, recusou sempre sair de Portugal e somou 11.ª subida de divisão onde conseguiu a primeira: P. Ferreira.

Vítor Oliveira teve cinco subidas seguidas, fez um ano na Primeira Liga no Portimonense e voltou à Segunda com o sucesso de sempre

Octavio Passos

Olhando para o percurso de Vítor Oliveira como jogador, não podemos propriamente descortinar por ali uma veia de nómada: formado no Leixões, onde se estreou como sénior, esteve um ano no Paredes e três no Famalicão onde praticamente não jogou à exceção do último e fez depois duas temporadas no Sp. Espinho, no Sp. Braga e no Portimonense. É certo que falamos de seis clubes em 13 temporadas mas nada a ver com as três décadas e meia que se seguiriam neste ancião do futebol português que recusou sempre sair para uma aventura no estrangeiro mas que despertou o interesse de algumas referências internacionais na imprensa como o The Guardian, que publicou um extenso perfil do técnico em junho de 2017.

Ainda como jogador, no final da década de 70, Oliveira já tinha experimentado a posição de técnico no Famalicão; mais tarde, a meio dos anos 80 e com apenas 31 de idade, assumiu pela primeira vez uma equipa, por sinal o Portimonense onde arrumou as botas. Estávamos na época de 1985/86. E começava aí uma das carreiras mais impressionantes do futebol nacional, de Norte a Sul, que continua ainda na temporada de 2018/19 a alcançar um sucesso sem precedentes na Segunda Liga.

Sem perder o fôlego, arrisquemos todos os clubes por onde passou: Portimonense, Maia, P. Ferreira, Gil Vicente, V. Guimarães, Académica, U. Leiria, Sp. Braga, Belenenses, Rio Ave, Moreirense, Leixões, Trofense, Desp. Aves, Arouca, Moreirense, União da Madeira e Desp. Chaves, em 2015/16, antes de voltar a repetir passagens por Portimonense e P. Ferreira. Tudo entre Primeira, Segunda Liga e terceiro escalão nacional (quando esteve no Maia). Mais impressionante ainda, conseguiu nesse trajeto um total de 11 subidas de divisão, a última este sábado após o trunfo do P. Ferreira com o Ac. Viseu.

  • 1991: P. Ferreira
  • 1997: Académica
  • 1998: U. Leiria
  • 1999: Belenenses
  • 2007: Leixões
  • 2013: Arouca
  • 2014: Moreirense
  • 2015: U. Madeira
  • 2016: Desp. Chaves
  • 2017: Portimonense
  • 2019: P. Ferreira

Mais uma vez, Vítor Oliveira conseguiu chegar ao sucesso de forma “limpinha”, não tendo liderado a Segunda Liga desde a primeira jornada porque na terceira ronda sofreu uma surpreendente derrota em casa frente ao Famalicão: à sexta já tinha recuperado a liderança (neste caso isolada) e fez um percurso quase imaculado que lhe valia já nove pontos de avanço em relação ao terceiro classificado no final da primeira volta. E tudo perdendo o principal goleador, Luiz Phellype, a meio da temporada (rumou ao Sporting). Assim, fica apenas um objetivo por atingir nas quatro jornadas que faltam: assegurar também o título de campeão da Segunda Liga, tendo nesta altura mais sete pontos (e mais um jogo) do que o Famalicão.

“Passados 29 anos, voltamos a pôr o Paços na Primeira Liga. O Paços é um clube de Primeira Liga, faz falta à Primeira Liga. Foi uma subida que justificámos ao longo de muitas jornadas, de muitos meses, com muita entrega e qualidade. Acabámos por sermos premiados a quatro jornadas do fim, o que é fantástico. Esta gente merece. Estou muito feliz porque passado 29 anos voltei a subir esta equipa. Toda a gente participou nesta conquista, desde os roupeiros ao tratador de relva, toda a gente. O objetivo agora é fazermos tudo para sermos campeões”, comentou no final da partida o técnico.

E o futuro? “A próxima época é uma dúvida para mim, também não sei. Já recebi algumas propostas, mas a todos disse que não falaria antes de a situação do Paços estar resolvida. Gosto de estar onde estou e sempre defendi que treinar na Primeira Liga é melhor do que treinar na Segunda Liga. Depende da perspetiva e das opções, mas nos últimos anos habituei-me a ganhar mais vezes”, admitiu Vítor Oliveira, não abrindo muito o jogo sobre o clube que orientará em 2019/20.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: broseiro@observador.pt
Combustível

Os motoristas e o mercado

Jose Pedro Anacoreta Correira

Quando o Governo não consegue instrumentalizar politicamente os sindicatos, passa ao ataque. A luta e defesa dos trabalhadores é só para trabalhadores do Estado e filiados na CGTP.

PSD

Rui Rio precisa do eleitorado de direita /premium

João Marques de Almeida

O eleitorado de direita deve obrigar Rui Rio a comprometer-se que não ajudará o futuro governo socialista a avançar com a regionalização e a enfraquecer o Ministério Público. No mínimo, isto.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)