Rádio Observador

The New York Times

The New York Times publica editorial sobre cartoon de António

281

Depois de ter pedido desculpa e retirado o desenho do autor português por acusações de antissemitismo, o jornal publicou agora um editorial onde alerta para o aumento dos ataques contra judeus.

"O desenho foi escolhido através de um serviço de distribuição por um editor que não reconheceu o seu antissemitismo", escreve o The New York Times

The New York Times

A polémica teve início no dia 25 de abril, quando o New York Times (NYT) publicou um cartoon onde Donald Trump surge representado com um kipá (símbolo judaico) na cabeça e uns óculos escuros sendo guiado por um cão com a cara do primeiro-ministro israelita, Benjamin Netanyahu. Rapidamente o jornal norte-americano foi alvo de acusações de antissemitismo, incluindo críticas de Donald Trump e do seu filho mais velho, tendo decidido retirar o desenho em questão e emitido uma nota editorial a pedir desculpa pela publicação.

Esta terça-feira, o NYT voltou a abordar o assunto através de um editorial dedicado ao tema do antissemitismo, onde também explicou como é que aquele cartoon foi parar ao jornal. “O desenho foi escolhido através de um serviço de distribuição por um editor que não reconheceu o seu antissemitismo”, escreve o NYT, acrescentando que, quando o cartoon foi publicado, percebeu-se a “evidência de um profundo perigo — não apenas de antissemitismo mas também da dormência face ao seu aparecimento, da maneira subtil como este antigo e duradouro preconceito é mais uma vez trabalhado para chegar à visão pública e conversa comum”.

O editorial do The New York Times foi publicado esta terça-feira

No editorial, o The New York Times diz ainda que “as imagens antissemitas são particularmente perigosas agora”, uma vez que o número de ataques contra judeus americanos mais do que duplicou entre 2017 e 2018, de acordo com um relatório da Liga Antidifamação. O jornal dá também o exemplo de vários casos de ataques a judeus realizados nos Estados Unidos e na Europa nos últimos tempos por “homens que se identificam como supremacistas brancos”. “Durante décadas, a maioria dos judeus americanos sentia-se segura para praticar a sua religião, mas agora passam por detetores de metais para entrar em sinagogas e escolas”, acrescentou o jornal no artigo de opinião.

Este é também um período de crescente crítica a Israel, grande parte direcionada para o lado direito do seu governo e parte dele até mesmo questionando a própria fundação de Israel como um Estado judeu. Temos sido e continuamos a ser apoiantes de Israel e acreditamos que as críticas de boa-fé devem trabalhar para fortalecê-la a longo prazo, ao ajudá-la a permanecer fiel aos seus valores democráticos. Mas o antissionismo pode claramente servir como uma cobertura para o antissemitismo. — e algum do criticismo a Israel, como o cartoon demonstrou, é expressamente aberto em termos antissemitas”, escreveu o NYT.

Na altura em que o cartoon foi publicado, e depois de o jornal ter pedido desculpa, Donald Trump sublinhou que o NYT também lhe devia a ele próprio um pedido de desculpas “por todas as notícias falsas e corruptas que publicam diariamente”. Agora, no editorial, o jornal ataca e critica a pouca ação do Presidente dos Estados Unidos contra os grupos antissemitas no território norte-americano. “O Presidente Trump fez muito pouco para despertar a consciência nacional contra ele [o antissemitismo]”, atirou o NYT, acrescentando que Trump “praticou uma política de intolerância pela diversidade” e que “os ataques a alguns grupos minoritários ameaçam a segurança de todos os grupos minoritários”.

No último parágrafo do editorial, o NYT afirma que o facto de ter ficado em silêncio em 1930 e 1940, quando “o antissemitismo se ergueu e banhou o mundo de sangue”, é um “fracasso que ainda assombra este jornal”. “As desculpas são importantes, mas a obrigação mais profunda do The Times é concentrar-se em liderar o jornalismo sem pestanejar e a clara expressão editorial dos seus valores. Nos últimos anos, a sociedade tem mostrado sinais saudáveis ​​de maior sensibilidade a outras formas de fanatismo, mas, de alguma forma, o antissemitismo muitas vezes ainda pode ser descartado como uma doença apenas nas franjas da sociedade. Isso é um erro perigoso. Como os eventos recentes mostraram, é um problema muito mainstream”, terminou.

António considera decisão do The New York Times “preocupante”

Depois de a polémica estalar, o autor do desenho — que não sabia que o seu cartoon tinha sido publicado no jornal norte-americano — veio negar as acusações de antissemitismo. “É uma crítica à política de Israel, que tem uma conduta criminosa na Palestina, ao arrepio da ONU, e não aos judeus“, explicou o cartoonista António numa nota publicada no jornal Expresso.

A política de Benjamin Netanyahu, quer pela aproximação de eleições, quer por estar protegido por Donald Trump, que mudou a embaixada para Jerusalém reconhecendo a cidade como capital, e que permitiu primeiro a anexação dos Montes Golã e depois da Cisjordânia e mais anexações na Faixa de Gaza, significa um enterro do Acordo de Oslo, representa um aumento da violência verbal, física e política“, explicou o cartoonista.

António acrescentou ainda que se trata de “uma política cega que ignora os interesses dos palestinianos. E Donald Trump é um cego que vai atrás. A estrela de David [símbolo judaico] é um auxiliar de identificação de uma figura [Netanyahu] que não é muito conhecida em Portugal”.

Sobre a decisão do The New York Times em retirar o seu desenho, o cartoonista considerou “preocupante”. “Porque não é um jornal qualquer. O The New York Times ser vulnerável a grupos de pressão é uma coisa que não gostaria de ouvir. Mas pronto, é um facto. Provavelmente tem a ver com as suas linhas de financiamento, não sei. É um espetáculo triste”, explicou em declarações à SIC na segunda-feira.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: cpeixoto@observador.pt
Feminismo

Liberdade p/assar /premium

Alberto Gonçalves
628

O descaramento do MDM e associações similares é infinito. Uma coisa, já de si irritante, é a sensibilidade contemporânea a matérias tão insignificantes que não ofenderiam o antigo arcebispo de Braga.

Natalidade

Como captar os votos de um jovem casal?

Ricardo Morgado

O nascimento de uma criança altera, complemente, a vida de um jovem casal. Para que tal aconteça mais vezes, é essencial que o Estado saiba responder às suas necessidades e a algumas urgências.

Toxicodependência

Fernanda Câncio, a droga não é "cool"

Henrique Pinto de Mesquita
305

Venha ao Bairro do Pinheiro Torres no Porto. Apanhamos o 204 e passamos lá uma hora. Verá que as pessoas que consomem em festivais não são bem as mesmas que estão deitadas nas ruas do Pinheiro Torres.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)